Obituário 2020

Artigos 24 de Dezembro, 2020 Diogo Ferreira

A Metal Hammer Portugal recorda nomes da música que partiram em 2020. -/- Neil Peart (12.09.1952 – 07.01.2020)Baterista e letrista dos... Obituário 2020

A Metal Hammer Portugal recorda nomes da música que partiram em 2020.

Eddie Van Halen

-/-

Neil Peart (12.09.1952 – 07.01.2020)
Baterista e letrista dos Rush, juntou-se à banda em 1974 após a partida de John Rutsey. Influência para gerações seguintes, Peart entrou no Rock and Roll Hall of Hame em 2013.
Lê também: “De frustrado a herói do rock”.

-/-

Ivan Král (12.05.1948 – 02.02.2020)
Guitarrista, baixista, produtor e compositor, mudou-se da Checoslováquia para os EUA em 1966. Tocou com Blondie, Patti Smith e Iggy Pop.

-/-

Reed Mullin (12.02.1966 – 27.01.2020)
Baterista, co-fundou Corrosion of Conformity com o guitarrista Woddy Weatherman e o baixista Mike Dean em 1982. Juntos lançaram o primeiro álbum “Eye for an Eye” em 1984. Saiu da banda em 2001 devido a uma lesão.

-/-

Genesis P-Orridge (22.02.1950 – 14.03.2020)
Nascido Neil Andrew Megson, Genesis P-Orridge foi artista de várias áreas (da música à poesia). Fundou bandas como Throbbing Gristle e Psychic TV.
Lê também: “Ascensão das máquinas”.

-/-

Sean Reinert (27.05.1971 – 24.01.2020)
Baterista, fundou os Cynic em 1987 com o guitarrista Paul Masvidal, banda com a qual lançaram discos de enorme importância no panorama prog, como “Focus” (1993). Ambos os músicos passaram pelos seminais Death entre 1990 e 1992, participando no álbum “Human” (1991).
Lê mais sobre Sean Reinert aqui.

-/-

Keith Olsen (12.05.1945 – 09.03.2020)
Aclamado produtor, trabalhou com Ozzy Osbourne, Fleetwood Mac, Whitesnake, Heart, Foreigner, entre outros.

-/-

Jason Rainey (14.02.1967 – 16.03.2020)
Guitarrista dos Sacred Reich, tocou nos quatro primeiros álbuns da banda norte-americana.

-/-

Bill Rieflin (29.09.1960 – 24.03.2020)
Baterista, tocou com King Crimson, REM, Ministry, Swans e KMFDM.

-/-

Alan Merrill (19.02.1951 – 29.03.2020)
Cantor, guitarrista, compositor e actor, ficou conhecido pela composição de “I Love Rock’n’Roll”, êxito interpretado por Joan Jett em 1982 que foi alvo de várias versões ao longo dos anos. Alan Merrill foi vítima do coronavírus.

-/-

Pete Way (07.08.1950 – 14.08.2020)
«Chamam-me maluco, mas comparado a Pete Way, estou fora da liga – é doido como o c*ralho», disse Ozzy Osbourne. Way fez parte de projectos como UFO, Waysted, Fastway, Ozzy, entre outros. Sucumbiu devido a lesões sofridas num acidente.

-/-

Brian Howe (22.07.1953 – 06.05.2020)
Vocalista de Bad Company entre 1986 e 1994.

-/-

Joey Image (05.03.1957 – 01.06.2020)
Baterista, nasceu Joey Poole. Juntou-se aos Misfits em 1978 e tocou nos singles “Horror Business” e “Night of the Living Dead”. Saiu da banda em 1979 após uma digressão malfadada pelo Reino Unido com The Damned. Reuniu-se brevemente com Misfits em 2000 para um concerto em Fort Lauderdale (EUA) quando Dr. Chud saiu da banda.
Lutava contra um cancro desde 2016.

-/-

Florian Schneider (07.04.1947 – 21.04.2020)
Co-fundador, vocalista e multi-instrumentista dos mestres da electrónica Kraftwerk. Manteve-se no grupo desde a sua fundação, em 1970, até 2008.

-/-

Ennio Morricone (10.11.1928 – 06.06.2020)
Compositor italiano, mudou para sempre as bandas-sonoras do cinema com trabalhos épicos para filmes como “The Good, the Bad and the Ugly” (1966).
A composição “The Ecstasy of Gold” tornou-se a abertura dos concertos de Metallica.
Lê também: “A razão por que The Ecstasy of Gold é mais do que apenas a melhor introdução do metal”.

-/-

Little Richard (05.12.1932 – 09.05.2020)
Figura incontornável da música nos anos 1950, fica na história como pioneiro e padrinho do rock n’ roll.
Nascido Richard Wayne Penniman, era um de 12 filhos e cresceu entre tios que eram pastores religiosos. Animado e extravagante, o norte-americano daria ao mundo êxitos como “Long Tall Sally” e “Tutti Frutti”.

-/-

Bob Kulick (16.01.1950 – 29.05.2020)
Guitarrista, fez uma audição para Kiss em 1972 mas perdeu para Ace Frehley. Continuou uma associação com a banda ao emprestar os seus talentos esporadicamente. Também colaborou com Loud Reed, Meat Loaf, WASP e Michael Bolton.

-/-

Sidney McCray (03.07.1957 – 09.09.2020)
Vocalista dos Bad Brains entre 1977 e 1978.
Lê também: “Os 7 magníficos do hardcore punk”.

-/-

Martin Birch (27.12.1948 – 09.08.2020)
Produtor, trabalhou com Iron Maiden, Deep Purple, Black Sabbath, Blue Öyster Cult, Fleetwood Mac e Rainbow.

-/-

Frankie Banali (14.11.1951 – 20.08.2020)
Baterista e membro-fundador de Quiet Riot. Participou em vários álbum, especialmente no sucesso “Metal Health” (1983). Morreu vítima de cancro no pâncreas.

-/-

Riley Gale (02.05.1985 – 24.08.2020)
Vocalista dos Power Trip, o jovem era tido como uma figura de proa no panorama mundial do metal. Morreu durante o sono.
«Era uma pessoa mesmo boa, pá, é o que toda a gente diz, é o que se vai ler sempre, e se alguém disser o contrário é porque está a mentir. A fama e o sucesso não o mudaram», disse Nate Garrett (Spirit Adrift) à Metal Hammer Portugal.

-/-

Tony Constanza (02.07.1968 – 04.08.2020)
Baterista, membro-fundador de Machine Head. Também passou por Crowbar. Saiu de Machine Head antes de lançarem o primeiro álbum “Burn My Eyes” (1994).

-/-

Alan Parker (14.02.1944 – 31.07.2020)
Realizador do filme “The Wall”, dos Pink Floyd. Estreou no Festival de Cannes em 1982.
Lê também: “Muros (in)transponíveis”.

-/-

Peter Green (29.10.1946 – 27.07.2020)
Guitarrista, fundou Fleetwood Mac com o baterista Mick Fleetwood em 1967. Começou a tocar o seu instrumento aos 11 anos.

-/-

Edward Van Halen (26.01.1955 – 06.10.2020)
Icónico guitarrista que redefiniu o instrumento, especialmente com a técnica de tapping, foi pai de uma revolução no hard rock que já não se via desde Jimi Hendrix. Morreu vítima de cancro.
Lê também: “A vida e os tempos de um deus da guitarra” e “Quando Eddie Van Halen sacou o solo de Beat It”.

-/-

Ken Hensley (24.08.1945 – 04.10.2020)
Teclista de Uriah Heep entre 1970 e 1980.

-/-

Sean Malone (01.01.1970 – 09.12.2020)
Baixista de Cynic, participou nos três álbuns da banda. Pelo meio lançou-se a solo e escreveu livros sobre música.