Multi-instrumentista, Chris Maragoth dá espaço à sua criatividade mais pessoal com um metal melódico instrumental com o qual expia emoções de... Chris Maragoth: âmago em pedaços

Origem: Alemanha
Género: melodic metal / instrumental
Último lançamento: “Lost and Separated” (EP, 2020)
Editora: independente
Links: Facebook | Bandcamp

Multi-instrumentista, Chris Maragoth dá espaço à sua criatividade mais pessoal com um metal melódico instrumental com o qual expia emoções de rompimento e distanciamento.

«Todas as músicas foram escritas após um momento difícil.»

O single: «”Shattered” é uma faixa instrumental de metal melódico que foi composta originalmente em 2017 após o fim de um longo relacionamento e lançada no YouTube e no Soundcloud como maquete. Depois de a retrabalhar em 2019, a música faz agora parte do EP “Lost and Separated”, que foi lançado a 9 de Agosto de 2020. Resumindo, pode dizer-se que a música é sobre o estado emocional após o término de um relacionamento. Estar preso numa prisão metafórica das tuas próprias emoções.»

Conceito: «Não há um conceito geral. Não apenas com “Shattered”, mas todas as músicas foram escritas após um momento difícil que tive com o término de um longo relacionamento. Isto ajudou-me a superar a situação e foi uma forma de trabalhar as emoções.»

Evolução e referências: «O meu som tornou-se mais melodioso durante o tempo em que fiz música para o meu projecto a solo. Utilizo melodias de guitarra mais polifónicas e tento fazer com que as guitarras-ritmo não toquem as mesmas coisas, trazendo um pouco de variedade. As linhas de baixo estão a ficar mais sofisticadas, especialmente nos meus próximos lançamentos, como “Behind this Door”, a sair em Março de 2021.
Referências musicais… Trivium, Avenged Sevenfold e Muse são três grandes influências. Mas também rock e metal dos anos 90 e início dos anos 2000.»

Review: Com emoções de rompimento à flor da pele, temas como o instrumental “Shattered” evidenciam um pesar sentimental através de linhas melódicas e melancólicas, por vezes quase depressivas. Neste caso em concreto, o piano e as guitarras são os pincéis que pintam esta tela sombria numa curta duração de três minutos, mas ainda assim há tempo e espaço para se deixar bem claro o ânimo interior do músico, assim como a aptidão técnica através de leads cativantes e solos bem sacados.