Em 1987, logo após o lançamento do EP “The Eyes of Horror”, os californianos e pioneiros do death metal Possessed mostravam-se incapazes de lidar... Jeff Becerra (Possessed): «Todos aqueles que afirmam ter sido a primeira banda de death metal não passam de posers.»
Fotografia: Hannah Verbeuren

Em 1987, logo após o lançamento do EP “The Eyes of Horror”, os californianos e pioneiros do death metal Possessed mostravam-se incapazes de lidar com as tensões internas e anunciavam o fim. Para trás deixavam “Seven Churches” (1985) e “Beyond the Gates” (1986), dois marcos importantíssimos do metal extremo, assim como a demo de 1983, “Death Metal”, onde Jeff Becerra e os restantes membros dos Possessed implementariam os alicerces do death metal e baptizavam o novo estilo musical que perduraria até aos dias de hoje. [NR: Apesar de ser 1984 o ano apresentado na capa da cassete, Becerra confirmou à Metal Hammer Portugal que a edição deu-se um ano antes.]

Dois anos depois, ao fim de um dia de trabalho na construção civil, Jeff Becerra dirige-se a uma loja para comprar um maço de cigarros. À saída é surpreendido por dois assaltantes armados que lhe exigem o dinheiro que trazia consigo. Becerra oferece resistência e no processo é baleado duas vezes, deixando-o paraplégico e dependente de uma cadeira de rodas. O músico volta ao activo em 2007, altura em que renova os Possessed e seguem-se algumas datas ao vivo, mas seria preciso aguardar até 2019 para que fosse editado o sucessor de “Beyond the Gates”, que surge na forma de “Revelations of Oblivion”. A Metal Hammer Portugal trocou algumas palavras com o vocalista, que contou como foi dar continuação ao trabalho suspendido na década de 1980: «Como artista, o meu objectivo é continuar a fazer música», comenta Becerra. «Os Possessed são a minha banda e as pessoas pediram sempre por mais, pelo que é isso mesmo que lhes vou dar. Tive um revés [o assalto] que me impediu de continuar a trabalhar em Possessed até à altura em que voltei, em 2007. Foi uma batalha longa e difícil», confessa o músico. «Muitas pessoas deram-me como morto e houve bandas a reivindicarem o título de primeira banda de death metal. É bom estar de volta e poder reclamar a minha história, assim como ter a possibilidade de terminar aquilo que comecei, que foi sempre o meu objectivo.»

“Revelations of Oblivion” encontra um mundo diferente daquilo que era no final dos anos 80. Não obstante, Jeff Becerra acredita que independentemente das mudanças e da evolução que o género musical sofreu, ainda há espaço para o tipo de sonoridade a que agora chamamos de old-school death metal. «A julgar pela forma como este disco tem sido recebido, não tenho dúvidas disso. Já é um álbum bem-sucedido e os Possessed estão naquele nicho de bandas de culto. Nunca seremos daquelas bandas que vendem milhões e enchem estádios. O tipo de sucesso que temos é muito bom para nós e tudo aquilo que estamos a tentar fazer agora é crescer e adaptar-nos, contudo nunca pensei que os Possessed iriam viver este tipo de sucesso actualmente.»

Numa viagem até às origens do colectivo norte-americano, Jeff Becerra fala sobre a demo “Death Metal”: «Foi em 1983 e não 1984», comenta em relação à data de lançamento. «Não sei por que é que escreveram 1984 na capa mas as pessoas cometem sempre esse erro.» «Na altura éramos miúdos», prossegue, «e sabíamos que em todas as bandas da Bay Area, ou de todas aquelas que conhecíamos, existia uma espécie de linha imaginária que fazia com que soassem todas ao mesmo, e em que o ritmo era animado e saltitante. Percebemos que tínhamos criado algo diferente e demos-lhe o nome de death metal porque nem era thrash nem era black metal. Era essencialmente uma mistura de punk com thrash metal, black metal e speed metal, e para tornar esta sonoridade mais directa encurtámos o compasso e estabelecemos a contagem aos três em vez de ser aos quatro. O Mike Sus, que era o nosso baterista, tocava jazz e conseguiu criar esta abordagem mais pesada. Foi algo revolucionário para a época. Éramos uma banda nova a tocar o nosso próprio estilo, o que tinha a sua dose de arrogância mas nunca quisemos saber.»

Jeff Becerra revela que foi buscar inspiração à cena hardcore-punk dos Estados Unidos para desenvolver o som dos Possessed: «Gostava de ver as bandas de hardcore-punk a gritar até não aguentarem mais e o que fez mais sentido para mim foi misturar isso com o metal. Diria que aquilo que nos levou à criação do death metal foi a falta de treino e a falta de conhecimento, tudo isto aliado ao facto de sermos malucos, claro está. Só queríamos ser a banda mais pesada do mundo e conseguimos chegar a esse objectivo quando lançámos “Seven Churches”, em 1985. Foi a última peça do puzzle.» Relembramos o músico de uma edição especial da revista Ultraje, publicação de que fizeram parte os editores da Metal Hammer Portugal, em que foram seleccionados três músicos para representar três estilos do metal extremo, com Jeff Becerra a dar a cara pelo death metal, enquanto Jeff Hanneman (Slayer) espelhava o thrash e Quorthon (Bathory) personificava o black metal. Becerra interrompe-nos: «Foi a escolha lógica para as pessoas que conhecem a verdade. Historicamente foi algo que eu fiz e foi a melhor coisa que criei na minha vida. Tudo aquilo que não corresponda a isto é pura mentira. Fiz isto intencionalmente. Durante anos, os Possessed diziam aos gritos que eram uma banda de death metal mas mais ninguém queria pertencer a este género. Foi uma luta tremenda e as outras bandas não queriam ter nada a ver com isso pois identificavam-se com outras bandas que já existiam. Fomos os primeiros a fazer isto e agora temos bandas a dizerem o contrário, afirmando que foram eles os primeiros e não nós. É uma mentira tremenda. Ninguém quis reivindicar o death metal porque não era conhecido e tivemos que lutar para fazer desse estilo algo real. Querem-nos tirar algo que é nosso por direito. Não estou a dizer que tudo o que fizemos foi death metal ou que criámos tudo no estilo, mas sim que fomos os primeiros. Gosto muito de outras bandas de death metal, mas todas aquelas que afirmam ter sido a primeira banda de death metal não passam de posers.» Durante as últimas três décadas, o vocalista teve a oportunidade de ver novas bandas surgir e a identificarem-se com o estilo perpetrado pelos Possessed. «Não creio que todas as bandas de death metal tenham seguido as nossas pisadas, mas acho que é bom ver a variedade que este estilo atingiu. É um género revigorado que engloba mais estilos diferentes e muitas variações que fizeram o death metal progredir. Isso deixa-me feliz.»

Jeff Becerra revela ter assinado um contrato de três álbuns com a Nuclear Blast, prometendo não nos fazer esperar tanto tempo para os sucessores de “Revelations of Oblivion”. Em jeito de remate, afirma querer «continuar a minha história e a minha jornada pessoal», e isso é tudo aquilo que lhe podemos desejar.

Os Possessed actuam no RCA Club, em Lisboa, no dia 18 de Junho, e no Hard Club, na cidade do Porto, no dia 19 de Junho. A banda faz-se acompanhar pelos noruegueses Nordjevel.