“Dealing With Demons I” é um álbum honesto, que repete uma fórmula que se sabe que funciona e que não assumiu muitos riscos com... DevilDriver “Dealing With Demons I”

Editora: Napalm Records
Data de lançamento: 02.10.2020
Género: groove / melodic death metal
Nota: 3.5/5

“Dealing With Demons I” é um álbum honesto, que repete uma fórmula que se sabe que funciona e que não assumiu muitos riscos com diferentes experimentações, sendo de fácil digestão.

DevilDriver é uma banda com uma longa trajectória, tendo tido altos e baixos na sua carreira, mas conseguiu estabelecer-se como uma das maiores bandas de death metal melódico dos Estados Unidos.

A faixa de abertura é um dos singles, “Keep Away From Me”, e possui um início mais cadenciado, com uma atmosfera sombria criada pelas guitarras limpas que nos fazem lembrar um corredor da morte, até que conseguimos ouvir os primeiros indícios de agressividade com os vocais de Dez, as guitarras de Mike e Neal e a cozinha de Diego e Austin. É uma música interessante para se iniciar um trabalho, pois criou um clima de tensão e suspense para, na sequência, dar-te um murro na cara.

A sequência de músicas “Nest of Vipers” e “Iona” marcam o trabalho, confirmando as suas competências para terem sido escolhidas como singles. A primeira é mais enérgica, tendo uma roupagem mais directa, e a segunda faz flirt com momentos mais sombrios e de tensão, criando-se um dinamismo interessante e tornando-o divertido e nada aborrecido.

Este trabalho é o reflexo de uma banda consistente, que se encontrou novamente há alguns anos e que está à procura de reafirmar o seu lugar no cenário musical. O álbum contém momentos mais interessantes e diversificados – como em “Wishing”, em que é possível ouvir vocais limpos –, um flirt com algumas características do metal moderno e na faixa-título é possível ouvirmos algumas influências de black metal nos riffs com acordes destoantes misturados com groove.

No geral, “Dealing With Demons I” é um álbum honesto, que repete uma fórmula que se sabe que funciona e que não assumiu muitos riscos com diferentes experimentações, sendo de fácil digestão. É um material consistente e que vai agradar a todos, mas longe de ser um dos melhores da banda.