Com um álbum lançado no Verão de 2020, os Ambassadors of the Sun apresentam a sua combinação de prog metal com heavy rock e... Ambassadors of the Sun: na órbita de uma estrela decadente

Origem: Suécia
Género: prog metal
Último lançamento: “Orbiting a Dead Star” (2020)
Editora: Dalapop / Valley Music
Links: Facebook | Instagram

Com um álbum lançado no Verão de 2020, os Ambassadors of the Sun apresentam a sua combinação de prog metal com heavy rock e refrãos melódicos.

«O álbum “Orbiting a Dead Star” oferece generosamente uma mistura de riffs melódicos e às vezes complexos e pesados de rock, metal, tons progressivos e um sentido melódico distinto que deixa hooks na memória.»

A banda e o álbum: «Os Ambassadors of the Sun formaram-se em 2017 por Fredrik Nordin (voz, guitarra), Mathias Henrysson (guitarra), Björn Tauman (baixo) e Daniel Liljekvist (bateria). As credenciais anteriores dos membros e outros compromissos contemporâneos incluem Katatonia, Dozer, Chainwreck, Freaks and Clowns, Disrupted, entre outros.
Ambassadors of the Sun tem borbulhado debaixo da superfície dentro da linha que é a cena da Dalecárlia, na Suécia. Musicalmente, vamos dos anos 1960 ao presente com grande desenvoltura. O álbum “Orbiting a Dead Star” oferece generosamente uma mistura de riffs melódicos e às vezes complexos e pesados de rock, metal, tons progressivos e um sentido melódico distinto que deixa hooks na memória, com um olhar constantemente curioso sobre o que nos espera atrás da porta.
A 8 de Junho de 2020, o single “From the Shadows” foi lançado, e a 10 de Julho de 2020, o álbum de estreia “Orbiting a Dead Star”, com nove músicas, foi lançado.»

Conceito: «O álbum de estreia é uma criação tecnicamente melódica que é pesada e bonita. Os riffs pesados são misturados com uma bateria complexa, partes calmas e metal. Somos alternadamente uma canção de embalar ou um despertador.
Liricamente, o álbum começa imponente com um belo canto polifónico e a primeira música transforma-se em heavy metal negro, que é caracterizada pela ansiedade e desespero. A situação mundial não dá motivos para horizontes positivos.»

Sonoridade e influências: «O Fredrik compôs as primeiras músicas e achou divertido fazer outra coisa para não ficar preso ao mesmo estilo de música. A mesma coisa com o Mathias e o Björn. Eles têm trabalhado com a banda de death metal Chainwreck há muitos anos. Há claramente elementos de stoner rock e death metal na música de Ambassadors of the Sun. Há até influências dos anos 1960, como Pink Floyd, e música psicadélica, e também um pouco de Neurosis e influências de bandas grunge dos anos 1990, como Soundgarden e Mother Love Bone. Todos nós ouvimos isso. Mandámos todas as nossas experiências para uma grande panela e deixámos ferver.»

Review: Dificilmente incorporados num só género, estes suecos até podem ser classificados como prog metal contemporâneo, mas acabamos por experienciar algo mais do que isso com a banda a incluir riffs que podem ir do punk ao doom metal. Com a robustez de riffs à heavy rock, leads cheios de antecipação e uma bateria bombástica, o quarteto elabora também algumas linhas melódicas, especialmente se tivermos em conta refrãos orelhudos de temas como “From the Shadows”. Em suma, os Ambassadors of the Sun querem ser pesados e belos ao mesmo tempo – conseguiram.