Lendários de New Jersey, os Overkill têm em “The Wings of War” o disco mais recente lançado em Fevereiro de 2019 através da Nuclear Blast. «Foi um estrondo fazer “The... Bobby ‘Blitz’ Ellsworth (Overkill): «Foi um estrondo fazer “The Wings of War”!»

Lendários de New Jersey, os Overkill têm em “The Wings of War” o disco mais recente lançado em Fevereiro de 2019 através da Nuclear Blast.

«Foi um estrondo fazer “The Wings of War”!», exclama Bobby ‘Blitz’ Ellsworth em declarações ecoadas pela editora, caracterizando-o seguidamente como «algo velho que se sente novo outra vez»«Acho que conseguimos uns novos e melhorados Overkill que abraçaram a nova química enquanto se pegou nas raízes para o presente», admitindo ainda que «a nova fórmula não só produziu mais poder cru como também levou [a banda] a novos lugares com melodia»«A chave é não se estar só interessado na mudança, mas ser parte dela», finaliza.

Na review ao álbum publicada na extinta Ultraje (2015-2019), João Correia escrevia: «A entrada industrial/militarista de “Last Man Standing” é capaz de assustar os fãs mais acérrimos de Overkill, quase a lembrar uma intro de uma qualquer banda de EBM ou aggrocore, mas quando a cadência de tarola do recentemente recrutado Jason Bittner dá início a uma das introduções mais memoráveis do thrash e se lhe segue a voz inconfundível de Bobby ‘Blitz’, não restam dúvidas de que os Overkill ainda têm muito para oferecer aos amantes do género. O nível sonoro de “The Wings of War” faz-nos regredir décadas sem retirar ponta de emoção que seja: bastante alto, violento e afiado como só um disco de thrash, feito por quem sabe, consegue ser. Existem momentos mais lentos, mas seria pateta não dizer que o álbum brilha realmente nos momentos mais rasgados e velozes, caso de “Welcome to the Garden State” em que todas as influências punk dos Overkill sobressaem naturalmente. Com uma produção aparentemente ruidosa (que lhe confere um punch adicional) e uma revitalização por demais óbvia, os Overkill editam provavelmente o melhor disco da sua carreira desde “Horrorscope”, o que por si só é assinalável. Com todos os elementos de marca dos Overkill presentes, dificilmente ouvirão um disco de thrash metal clássico em 2019 melhor do que “The Wings of War”. Ou até nos anos vindouros. É por álbuns como este que o thrash ainda mexe.»