Vindo ao mundo para quebrar regras, Bofo Kwo é metal experimental e perturbador com um conceito distópico sobre matar inimigos e ficar com a... Bofo Kwo: deuses dourados do universo

Origem: Finlândia
Género: experimental metal
Último lançamento: “Space/Time Carnivorium” (2020)
Editora: Sliptrick Records
Links: Facebook | Bandcamp

Vindo ao mundo para quebrar regras, Bofo Kwo é metal experimental e perturbador com um conceito distópico sobre matar inimigos e ficar com a sua essência.

«Criatividade é quebrar as regras, portanto fazemos o que queremos e, com sorte, não ofendemos muitas pessoas no processo.»

O álbum: «O lançamento mais recente é também o nosso álbum de estreia intitulado “Space/Time Carnivorium”. O objectivo era fazer um álbum livre de restrições, sendo baseados no nosso amplo gosto musical, mas também apresentar um cenário adequado para a história que estamos a contar. Embora nunca tenhamos percebido o quão perto estávamos de descrever a miséria que é ano de 2020 quando compusemos e gravámos antes da pandemia, agora achamos que é uma boa banda-sonora para o mundo. A maioria das pessoas pode esperar um escape para uma terra de fantasia, onde a física e os relacionamentos têm um novo significado. Esperamos que sintam prazer e, nalguns casos, dor. Recomendamos o uso de algum tipo de proteção para se ouvir o álbum completo de uma só vez.»

Conceito: «“Space/Time Carnivorium” é uma história distópica e, assim como o primeiro lançamento “Legend of Cannibal King” (EP, 2017), segue três personagens violentos: Bofo Kwo, Bomari e Wamufo. Neste disco, eles viajam para vários novos planetas e encontram-se com Lord Elmonioz para se juntarem às suas aventuras. Até fizeram uma guerra com Rex Talpas (“Green Leviathan”, com Wayne de Dirty Rats). Todos os seus esforços acontecem para se ir em busca de novos poderes, já que os personagens principais matam os seus inimigos e ficam com a sua essência de vida para se tornarem os Deuses Dourados do Universo. Queríamos oferecer uma grande descrição irreal de um futuro. Com a música feita à medida para o conceito, sentimos que isso ajudará a aprimorar a nossa história, pois é uma mistura de paisagens sonoras épicas com sons sujos e muito metal. Todas as letras são baseadas num romance contínuo de Theodore Salmondi Egger com contribuições de Janne Winther e Kimmo Lindholm.»

Evolução: «Em 2014, quando começámos, o objectivo era termos um conceito de black metal sinfónico, mas já no primeiro lançamento quebrámos as normas e misturámos outras influências. Decidimos adicionar influências de death e thrash metal, punk e grunge, com um toque de gótico industrial, doom e música electrónica. Já que as nossas letras são baseadas em fantasia, achamos que é bom adicionar todas as nossas influências e criar livremente entre géneros. Esta pode ser uma afirmação ousada, mas o nosso vocalista é conhecido por ser um mestre das suas próprias grandes ilusões. No final, pretendemos apenas que soe como queremos e que faça as pessoas sentirem uma gama de emoções durante a experiência de nos ouvirem ao vivo e nas gravações. É nossa visão ter um som único, pois não podemos entrar na fila e apenas seguir um conjunto de regras. Criatividade é quebrar as regras, portanto fazemos o que queremos e, com sorte, não ofendemos muitas pessoas no processo.»

Review: Impróprio para epiléticos, a sonoridade destes finlandeses é largamente inquietante e perturbadora. Com instrumentos em afinação downtuned, o death metal muitas vezes arrastado facilmente se transforma em sludge industrial. Ao fundo há toda uma ala experimental que engloba guitarras quase jazzísticas com arranjos electrónicos e robóticos que geram um ambiente horripilante que provoca angústia e desconforto. Os Bofo Kwo são facilmente indicados para mentes-abertas e para adeptos de novidades fora-da-caixa.