Recentemente formados e nada ortodoxos, os norte-americanos Vörst criam um black metal dissonante e perturbador com as alterações climáticas e Satanás... Vörst: renascer da destruição

Origem: EUA
Género: black metal
Último lançamento: “From the Roots of a Frostbitten Land” (demo, 2020)
Editora: independente
Links: Facebook | Bandcamp

Recentemente formados e nada ortodoxos, os norte-americanos Vörst criam um black metal dissonante e perturbador com as alterações climáticas e Satanás como fio condutor.

«Não temos medo da magia do som.»

Objectivos: «Com “From the Roots of a Frostbitten Land” quisemos dar ao black metal, enquanto género, algo novo. Misturámos todas as nossas influências na nossa música. Vörst tenta ser refrescante no black metal sem se afastar muito das suas raízes. Podem esperar um ataque black metal potente e lo-fi.»

Conceito: «Esta maquete foi altamente influenciada pelas alterações climáticas e pelo poder de Satanás na alma de alguém. As alterações climáticas têm sido uma parte crucial na vida de todos e vemos os efeitos todos os dias. É uma luta entre as empresas ricas, para produzirem produtos, e as pessoas que se recusam a encontrarem formas de descarte mais significativas. Mas não são apenas as empresas ricas. Todos participamos na ajuda ao nosso planeta – as grandes empresas têm o maior impacto. Ter Satanás (nas crenças do Satanismo) ao vosso lado dá-vos o poder de se livrarem dos julgamentos e do ridículo da vida. O poder de se ser e de se sentir livre das amarras religiosas. Acredito que o satanismo nos aproxima da natureza, a nossa mãe.»

Influências e evolução: «Vörst é feito num caldeirão de influências como Immortal, WASP, Mayhem, Venom, Exodus e muito mais (mesmo fora do metal). O som de Vörst é a ponte entre o true black metal e o thrash black metal. O nosso som continuará sempre a evoluir, assim como os humanos. Não temos medo da magia do som.»

Review: Gelado e com pitadas de belicismo, o black metal de Vörst tanto pode ser indicado para seguidores de Marduk como de Venom, formando-se assim uma sonoridade que bebe de duas vagas distintas mas que acabam por se cruzar. Evidenciam-se ainda estruturas e ritmos pouco ortodoxos que chamam a atenção.