Cientes da dificuldade que é lançar um banda nova, os Steinbock têm trabalho arduamente para fazerem o seu nome aparecer onde quer que seja.... Steinbock: sem limites

Origem: Espanha
Género: heavy/thrash metal
Último lançamento: “Till The Limit” (2019)
Editora: Art Gates Records
Links: Facebook | Instagram
Entrevista: Joel Costa | Review: Diogo Ferreira

Cientes da dificuldade que é lançar um banda nova, os Steinbock têm trabalho arduamente para fazerem o seu nome aparecer onde quer que seja. Com “Till The Limit” espera-se thrash/heavy metal muito positivo.

«No nosso último lançamento, as pessoas encontrarão energia e música divertida.»

Falem-nos do vosso último lançamento. Quais eram os objectivos e o que é que podemos esperar?
Com “Till The Limit”, o nosso principal objectivo é mostrar a nossa música. Estamos a trabalhar arduamente para fazer uma digressão por Espanha e outros países, e queremos um grande público à nossa frente a dançar e a gritar as nossas músicas. No nosso último lançamento, as pessoas encontrarão energia e música divertida.

Como é que uma banda nova dá os primeiros passos em Espanha? Quais são os principais obstáculos?
É sempre difícil começar uma carreira no ramo da música, e é mais difícil em Espanha. É preciso investir muito dinheiro e tempo para se lançar um trabalho, e é preciso continuar a trabalhar para te mostrares ao público. Os principais obstáculos, provavelmente, são os alugueres que é preciso pagar para tocar. Mas agora é assim que funciona.

Como é que as bandas e os metaleiros espanhóis costumam encarar o mercado português?
Achamos que em Espanha não nos importamos muito com a origem da música. Geralmente, as pessoas vão a um concerto porque querem divertir-se e, se as bandas forem estrangeiras, as pessoas mostram mais interesse, mas não pensam de que país elas vêm.

Existe algum conceito principal em torno deste álbum? Se não, qual é a mensagem que tentam transmitir musical e liricamente?
“Till The Limit” é sobre levar-te ao limite e mais além. Trata-se de lutar com o quotidiano e problemas. Mas também é sobre aproveitarmos a vida e sentir orgulho de quem se é.

Como é que descrevem a vossa evolução e quem citam como referências musicais?
De momento, sentimo-nos muito confortáveis ​​com o nosso som. Quando ouvirem as nossas músicas, podem encontrar referências de Metallica, Avenged Sevenfold ou Trivium, mas não pensamos nisso quando criamos as nossas músicas. Obviamente, somos influenciados por muitas bandas, mas também nos influenciamos por muitos tipos de música como rock & roll, progressive metal ou classic heavy metal.

Review: Com o primeiro álbum “Till The Limit”, os Steinbock oferecem-nos um thrash/heavy metal com imensos laivos de hard-rock. Assim, originam-se oito músicas cheias de energia, catchiness e solos bem executados, o que nos facilita a ter uma audição fácil e harmoniosa que não cansa e que ainda nos pode dar um alento positivo para ultrapassar mais um dia. Ainda que tenham uma assinatura particular, encontram-se também algumas influências em Metallica do “Load” para a frente.