Num mundo de aparências, Rïcïnn nasceu do desejo de alguém se manter verdadeiro. Esse alguém é Laure Le Prunenec, mais conhecida como vocalista de... Rïcïnn: dança celestial entre sagrado e obsceno
Foto: Blood Music

Num mundo de aparências, Rïcïnn nasceu do desejo de alguém se manter verdadeiro. Esse alguém é Laure Le Prunenec, mais conhecida como vocalista de Igorrr e Corpo Mente.

Enquanto criança, inventava remédios, fórmulas e preces para servirem o mundo – uma expressão do agora, tudo englobado no fogo e na água, nas baleias e nos pássaros, nos sons emanados da neblina, nos vestígios de uma civilização antiga e esquecida.

Rïcïnn emerge como uma sobrevivência solitária de um universo paradoxalmente pré-pós apocalítico, um mundo onde Laure está de luto pela sua cultura desconhecida.

Do breakcore insano de Igorrr ao trip-hop experimental de Corpo Mente, a francesa aterra num ambiente de ópera fúnebre com Rïcïnn, uma expressão sua em que praticamente sozinha compôs, instrumentou e criou a imagética.

Porém, para o álbum “Nereïd”, que tem data de lançamento a 23 de Outubro de 2020 através da Blood Music, a artista, que assimila várias culturas numa linguagem sonora e estética muito particular, fez-se acompanhar por uma formação de luxo. Enquanto Travis Ryan (Cattle Decapitation) dá ar do seu vozeirão na faixa “Doris”, Eran Segal tratou de todas as guitarras e texturas, Roland Kern toca viola da gamba em “Thaliäe” e Raphaël Verguin ocupa-se do violoncelo. Entre outros vários convidados, encontramos ainda Laurent Lunoir (growls em Igorrr) nos coros de apoio e Gautier Serre (mentor de Igorrr) nos arranjos da faixa “Söre”.

Estranho mas que se entranha, especialmente em quem tem mente-aberta e que é fã de Diamanda Galás e Klaus Nomi, “Nereïd” harmoniza os ritmos da natureza num resultado final que forma uma dança celestial que tem tanto de etéreo e leveza como de terror, tudo sagrado à sua maneira.