Com heavy metal misturado com um bocadinho de thrash, o alemão que dá pelo nome de Sankt Velten incarna o Diabo como o vê... Sankt Velten: Diabo de fato e gravata

Origem: Alemanha
Género: heavy metal
Último lançamento: “The Discreet Charm of Evil” (2019)
Editora: Scare Records
Links: Facebook | Bandcamp
Entrevista e review: Diogo Ferreira

Com heavy metal misturado com um bocadinho de thrash, o alemão que dá pelo nome de Sankt Velten incarna o Diabo como o vê no Séc. XXI.

«O Mal é encantador, discreto, subtil e oculto com fatos e gravatas caras.»

Último lançamento: «Inclui dez músicas de maldade subtil. Embora eu seja o guitarrista do esquadrão de thrash Darkness, não gravei um álbum de thrash. Sankt Velten é mais moderado do que Darkness, oferece uma gama maior de oportunidades musicais, mesmo sendo rijo e pesado.»

Conceito: «Sankt Velten é uma antiga palavra alemã para Diabo. É o meu alter-ego musical, que me permite entrar na forma do Diabo e ver o mundo pela sua óptica. O Diabo é uma alegoria e sempre foi o bode expiatório de tudo o que é mau. Portanto, não tem nada a perder. Isso abre perspectivas muito interessantes para as músicas. Além disso, penso que o Mal hoje em dia não aparece com ruído e na forma de monstros. O Mal é encantador, discreto, subtil e oculto com fatos e gravatas caras. É disso que trata a maioria das músicas do álbum.»

Sonoridade: «O álbum é influenciado por muitas bandas e estilos, mas não tento copiar um estilo ou um som desta ou daquela banda. Na maioria das críticas, é descrito como power e melodic metal, alguns já escreveram que é apenas heavy metal. E é isso: sem dúvida, o som é heavy metal. Ouçam o álbum e formem a vossa própria opinião.»

Review: Projecto mais pessoal de Sankt Velten (também na formação dos veteranos alemães Darkness), o músico tem em “The Discreet Charm of Evil” o seu disco mais recente. Misturando heavy e thrash metal, o germânico tem a capacidade de oferecer hooks cativantes, riffs com poder e refrãos orelhudos. Num trabalho cheio de melodia em doses generosas, a voz de apoio de Catharina Demonica dá aos temas uma sensação à anos 1990, algures entre o vampirismo e o metal alternativo.