Com apenas um EP na discografia, os Elderseer já mostram muita clarividência em relação ao doom/death metal que transmitem. O primeiro... Elderseer: doom metal pagão

Origem: Reino Unido
Género: doom metal
Último lançamento: “Bind Us As One” (EP, 2018)
Editora: independente
Links: Facebook | Bandcamp
Entrevista e review: Diogo Ferreira

Com apenas um EP na discografia, os Elderseer já mostram muita clarividência em relação ao doom/death metal que transmitem. O primeiro LP deverá ser lançado ainda em 2020.

«Podem esperar um som atmosférico pesado e negro, com poderosos elementos melódicos.»

Último e próximo lançamento: «O lançamento de estreia “Bind Us As One” foi lançado em Dezembro de 2018, é um EP de quatro faixas. Podem esperar um som atmosférico pesado e negro, com poderosos elementos melódicos. É uma boa amostra do que é Elderseer. Actualmente, estamos a desenvolver material para o nosso próximo lançamento, que será um álbum. Estamos a planear o lançamento para o final deste ano, mas isso está sujeito à crise mundial actual. Já temos várias músicas novas que tocámos ao vivo até agora.»

Conceito: «Cruzamos o culto pagão à natureza com manifestações musicais. O lado lírico das músicas tem uma temática pagã, abordando assuntos da natureza e da sociedade, especialmente isolamento, escuridão, introspecção e uma espécie de visão pagã contemporânea em que se encaixa esta sociedade moderna.»

Sonoridade e referências: «Elderseer tem um som melódico e gótico que se influencia na cena death/doom metal do Reino Unido dos anos 1990, algumas influências funerárias e leves indícios de dark folk antigo. Como influências, diria Paradise Lost, My Dying Bride e Woods Of Ypres. Sei que os meu colegas incluiriam influências como Opeth, Katatonia e Summoning.

Review: O som do mar e o feedback das guitarras são elementos premonitórios da sonoridade destes britânicos. Sim, estás a pensar o mesmo que nós – doom metal. Enegrecidos mas melódicos e lentos mas intensos, os Elderseer são um bonito catalisador para momentos solitários e pesarosos, aqueles 10 minutos que precisamos para pormos as ideias no sítio e para nos afastarmos do exterior. “Bind Us as One” é uma excelente porta de entrada para quem acabou de descobrir este quarteto.