«Um momento arquétipo do metal.» Rob Halford Judas Priest era uma banda em busca de direcção no final dos anos 1980. “Turbo”, de 1986,... Judas Priest: Por que é que “Painkiller” é a derradeira música do heavy metal
Foto: Aaron Rapoport

«Um momento arquétipo do metal.»

Rob Halford

Judas Priest era uma banda em busca de direcção no final dos anos 1980. “Turbo”, de 1986, foi um grande sucesso nos Estados Unidos, mas a sua dependência em guitarras sintetizadas e num brilho pop alienou muitos fãs. O sucessor “Ram It Down”, lançado dois anos depois, foi tão sem charme como esquecível, e é por isso que ninguém fala dele hoje em dia. Mas depois lançaram “Painkiller”.

O 12º álbum dos Priest, lançado a 3 de Setembro de 1990, era o som de uma banda rejuvenescida. E o seu brilho foi personificado pela emocionante faixa-título.

Esta obra-prima explodiu com uma barragem de bateria em modo de apresentação do novo membro Scott Travis. A uma saraivada subsequente de riffs metralhados por Glenn Tipton / K.K. Downing segue-se a intensidade estridente com a abertura de Rob Halford: «Faster than a bullet, terrifying scream / Enraged and full of anger, he’s half-man and half-machine!» Em seis minutos e meio de fazer eriçar cabelos, os Priest regressaram imediatamente à vanguarda do heavy metal no amanhecer de uma nova década.

Estes Brummies eram eles próprios admiradores da nova geração agressiva, levando os Slayer para a digressão Mercenaries of Metal de 1988, e “Painkiller” parece ter sido forjado no espírito de mostrar aos mais novos quem manda.

«A nossa ambição é hastear a bandeira do metal, e sentimos que thrash e heavy metal são a mesma coisa», disse Glenn Tipton à Hammer em Dezembro de 1990, acrescentando: «Gostamos de thrash… Estamos muito cientes de todas as novas bandas e jovens guitarristas.»

«Tentamos sempre fazer algo diferente, não relaxar com os louros», afirma Ian Hill em 2019, quando questionado se “Painkiller” era uma música de renascimento radical. «Tínhamos feito o álbum experimental “Turbo”, que teve críticas mistas… Na verdade, era uma rua de sentido único, não íamos a lado nenhum com sintetizadores de guitarra. O [LP de 1988] “Ram It Down” foi onde recuperámos o gume mais duro, e “Painkiller” foi uma continuação disso, mas mais refinado, muito agressivo, música muito forte.»

Foi um baptismo de fogo para o ex-baterista dos Racer X, Scott Travis, de 28 anos, que se juntou à banda apenas alguns meses antes da gravação de “Painkiller”, e acabou no centro do palco na apresentação do álbum, inusitadamente desacompanhado nos primeiros 15 segundos.

«O Scott trouxe um monte de coisas», entusiasma-se Ian. «O Dave Holland era um bom baterista, mas não conseguia dar conta do pedal duplo daquela forma. Se ainda tivéssemos o Dave na banda, ele não teria sido capaz de fazer nada parecido, portanto a contribuição do Scott foi tremenda. Permitiu-nos fazer esta música.»

Outro factor no impacto de “Painkiller” é o poder absoluto da produção pelo extraordinariamente dotado Chris Tsangarides. Chris foi de operador de fitas e rapaz dos recados em 1976, no “Sad Wings of Destiny”, para o leme de discos de Thin Lizzy, Black Sabbath, Bruce Dickinson, Anvil, King Diamond e muitos mais.

Tom Allom tinha sido o responsável pelos Priest em estúdio desde “British Steel”, de 1980, ajudando a consolidar o sucesso da banda naquela década, mas agora era necessária uma nova abordagem: «Os tempos mudam, e tens de mudar com eles», ponderou Glenn à Metal Hammer. «Estamos em 1990 e actualizámos a nossa música.»

A mudança foi sentida instantaneamente no ambiente ousado e radical de “Painkiller”. «O Chris surgiu com grandes elogios», recorda Ian sobre o saudoso maestro, que faleceu em 2018. «Ele era um novo produtor que estava a trabalhar com algumas das bandas mais recentes da época. O seu conhecimento em metal era imenso, então demos-lhe uma hipótese. Ele tinha boas ideias sobre como obter vários sons e funcionou muito bem.»

Décadas depois, “Painkiller” continua a ser uma experiência electrizante, repleta de reviravoltas, ritmos vigorosos e energia descontrolada. Toda a gente terá a sua parte favorita, mas há algo de muito cintilante na forma como a acção pausa para marcar a entrada do arpejo no magnífico solo de Glenn – supostamente, o favorito pessoal do guitarrista.

Com todos os cortes e mudanças, construindo-se e correndo-se, com faíscas a voar das baquetas e dos fretboards, podemos perguntar se “Painkiller” demorou mais para se acertar do que outras músicas de Priest, mas, como sempre, Ian levou isto a passos largos.

«Passámos cerca de duas semanas em Espanha, numa antiga quinta que alugámos, onde podíamos tocá-la e aprimorá-la», recorda o baixista, «por isso, a gravação foi comparativamente fácil, pois todos tínhamos uma boa ideia do que estávamos a fazer».

O vídeo da música – o quarto dirigido por Wayne Isham, que tinha recentemente trabalhado com Pink Floyd, Rolling Stones, Ozzy, Bon Jovi e Def Leppard – foi filmado num austero monocromático, no que parecia ser uma fundição de ferro. As rápidas passagens e as partes de luz brilhante enfatizam a severidade insistente da música, talvez sabiamente optando por não se reproduzir a narrativa lírica do super-herói cibernético que ressuscita a humanidade após o Armagedão – o que parece ser muito custoso.

Na edição da Hammer, no Natal de 2003, Rob resumiu “Painkiller”: «Um momento arquétipo do metal», declarou, «sobre uma criatura fantástica que personifica o metal. A maldade, a energia e a destruição».

Consultar artigo original em inglês.
Consultar artigo principal sobre o álbum.