Mastodons partilham os segredos por detrás das suas covers mais intrigantes com a Metal Hammer. Mastodon: “Não nos sentamos a ouvir heavy metal o dia todo»

Mastodons partilham os segredos por detrás das suas covers mais intrigantes com a Metal Hammer.

O álbum “Medium Rarities”, recentemente lançado pelos Mastodon, contém três covers de eleição, com o quarteto de Atlanta a tocar músicas de Metallica, Feist e Flaming Lips. Na nova edição da Metal Hammer, o baterista/vocalista Brann Dailor revela as histórias por detrás de cada uma das faixas.

Sobre a cover que a banda fez em 2006 de “Orion”, o instrumental dos Metallica, Dailor disse: «A Kerrang! juntou um monte de bandas para fazerem covers no 20º aniversário do “Master of Puppets” [para uma compilação em CD intitulada “Remastered”]. Escolhemos a “Orion” porque não tinha vozes e isso foi bom para nós! Para além disso, é uma das minhas músicas favoritas de Metallica. Eles são conhecidos por serem uma banda realmente muito pesada, mas há muitos momentos bonitos na sua música que não são comentados. É também um olhar para a alma que era Cliff Burton – que grande pessoa e músico lindamente talentoso ele era.»

A cover de “A Commotion”, de 2012, da cantautora canadiana Feist, tem as suas origens na aparição de Mastodon no programa de música da BBC, “Later… with Jools Holland”, revela Dailor.

«Ficámos muito empolgados com o convite», admite o baterista. «O heavy metal a modos que é empurrado para baixo do tapete, então sempre que somos convidados para essas coisas, sentimos que não pertencemos àquele lugar, sabes? Nós somos como aqueles gajos sujos do heavy metal. Mas… o pessoal da Feist apareceu, e disseram: ‘Oh, somos grandes fãs.’ Era uma sociedade de admiração mútua. Depois saímos, bebemos uns copos e então surgiu a ideia vinda da Leslie [Feist] – ela disse: ‘Devíamos fazer uma cover das músicas uns dos outros para um álbum no Record Store Day.’ A Feist fez uma cover de “Black Tongue” e nós fizemos de “A Commotion”. É provavelmente uma das minhas coisas favoritas que já fizemos fora de um álbum. Apenas pelo facto de termos trocado músicas com alguém que nunca, jamais, esperarias. Quero fazer mais disto!»

Dailor revela que a cover de “A Spoonful Weighs A Ton”, de 2012, de Flaming Lips, na verdade, veio da mesma sessão de estúdio da cover de Feist.

«Isto leva-me de volta à primeira digressão europeia que fiz, quando estava em Today Is The Day, e estávamos a abrir para Neurosis e Voivod», diz. «Era 1999, e aquele álbum [“The Soft Bulletin” de Flaming Lips] tinha acabado de ser lançado, e o gajo do som de Neurosis – um tipo chamado Dave Clark – verificava o PA com “A Spoonful Weighs A Ton”. Todos os dias eu ia lá e ouvia, porque queria ouvi-la em grande.»

«Acho que os fãs tendem a pensar que os músicos só ouvem o tipo de música que fazem, como se tudo o que eu fizesse é sentar-me e ouvir heavy metal, e simplesmente não o faço», acrescenta Dailor. «O adolescente comum que ouve Amon Amarth não está a pensar que o seu adorado vocalista de Amon Amarth está sentado por aí a ouvir Sade!»

Para além desta entrevista com Mastodon, a nova edição da Metal Hammer contém uma celebração exclusiva do 50º aniversário dos Judas Priest, bem como novas entrevistas a System Of A Down, Perry Farrell, Ghostmane, Epica e mais.

Consultar artigo original em inglês.