Consideramos com facilidade que o berço do black metal é a Noruega com todas as suas importantes bandas: Mayhem, Emperor, Burzum, Immortal, Darkthrone, Satyricon,... Dead (1969-1991): «desculpem o sangue»

Consideramos com facilidade que o berço do black metal é a Noruega com todas as suas importantes bandas: Mayhem, Emperor, Burzum, Immortal, Darkthrone, Satyricon, Gorgoroth… Mas há uma realidade da qual nos esquecemos ingenuamente: 1) Quorthon (Bathory) era sueco, reinando na cena extrema nórdica anos antes das bandas atrás mencionadas; 2) Dead, vocalista dos Mayhem entre 1988 e 1991 e que se tornara no mais infame frontman da época, também era sueco. Posto isto, as bases do black metal têm muito sangue sueco… E de sangue percebia Dead.

Per Yngve Ohlin, mais conhecido por Dead, nasceu a 16 de Janeiro de 1969 em Estocolmo, Suécia.

Depois de uma infância conturbada, especialmente por causa de problemas de saúde e alegado bullying, Per, tantas vezes chamado de Pelle, iniciaria a sua vida artística ainda na adolescência ao ajudar a fundar os Scapegoat e depois os Morbid em 1987, banda em que grava as três primeiras demos já como Dead, alcunha que escolhe para relembrar a sua experiência de quase-morte. No ano seguinte ingressava nos noruegueses Mayhem depois de ter entrado em contacto com o baixista Necrobutcher. Na encomenda que enviou para a Noruega, relata-se que constava uma cassete, uma carta com as suas ideias e um rato crucificado.

Por obra do destino, Dead chega aos Mayhem logo após “Deathcrush” (1987) e bem antes de “De Mysteriis Dom Sathanas” (1994), mas isso não lhe retira importância na banda numa altura em que o primeiro disco, o tal de 1994, já andava a ser composto. A voz e performance de Dead eterniza-se no icónico “Live in Leipzig” de 1993, álbum ao vivo lançado após a sua morte em 1991.

A 8 de Abril de 1991, Dead suicida-se. Corta os pulsos e a garganta e dá um tiro na cabeça. Deprimido por natureza, Dead possuía ainda um sentido de humor nato ao deixar a nota «desculpem o sangue», bem como outros pensamentos e a letra de “Life Eternal” que seria incluída em “De Mysteriis Dom Sathanas”. Euronymous (1968-1993), ao encontrar o corpo do amigo e colega, decide então fotografá-lo, dando origem à capa de “The Dawn of the Black Hearts – Live in Sarpsborg, Norway 28/2, 1990”. Esta mórbida decisão levou Necrobutcher (baixo) a abandonar os Mayhem e a não participar na formação histórica de “De Mysteriis Dom Sathanas”, retornando  ao grupo só depois deste lançamento. A voz ficava ao cargo do húngaro Attila Csihar e o baixo nas mãos de Varg Vikernes aka Count Grishnackh (Burzum).

Décadas depois de acontecimentos como o suicídio de Dead, o homicídio de Euronymous, a prisão de Vikernes e as igrejas incendiadas, o livro pouco querido “Lords Of Chaos”, de Michael Moynihan (Blood Axis), lançado em 1998, é a base para o filme com o mesmo título realizado por Jonas Åkerlund (primeiro baterista de Bathory), uma película que se baseia em episódios daqueles poucos, mas intensos, anos vividos no seio do black metal norueguês. Apresentado no Sundance Film Festival em 2018, o filme chegou à generalidade do público durante 2019.