A 28 de Agosto de 1993, os Iron Maiden e o vocalista Bruce Dickinson separaram-se de forma espectacular. Bruce Dickinson é ‘morto’ em palco no seu último concerto antes de deixar Iron Maiden

A 28 de Agosto de 1993, os Iron Maiden e o vocalista Bruce Dickinson separaram-se de forma espectacular.

28 de Agosto de 1993 foi o dia em que Bruce Dickinson morreu. Mais ou menos.

Bruce já fazia parte da máquina dos Iron Maiden há mais de uma década – o seu carisma e voz operática ajudaram a levar a banda ao estrelato mundial. Juntos, fizeram sete álbuns e fizeram digressões por todo o mundo. A máquina Maiden há muito que era um sucesso, mas as coisas eram rotineiras.

«Trabalho duro, bons rapazes, relativamente seguro, bem gerido», resumiu Bruce sobre o estado da banda na altura, numa entrevista à rádio Q104. «Todas as coisas [sobre as quais] as pessoas diriam: ‘Ei, é um trabalho fiável.’ Essa era a minha vida nos Iron Maiden. Pensei: ‘Não é o suficiente. Sou muito novo para me ficar por isto.’»

Antes do início da digressão Real Live de 1993, Bruce decidiu sair, desejando algo novo. No entanto, concordou em honrar as datas de Primavera e Verão da banda – depois disso, abandonaria o barco para se concentrar totalmente na sua carreira solo.

O seu último concerto foi algo de espectacular sem olhar a despesas. Foi anunciado como Raising Hell e filmado no famoso Pinewood Studios perante um público especialmente convidado. O ilusionista Simon Drake foi o MC da noite – apresentou os Maiden e foi reaparecendo de vez em quando para alguma teatralidade mórbida. Serrou uma mulher ao meio durante “Bring Your Daughter to the Slaughter”. Cortou as mãos do guitarrista Dave Murray. E, para o grand finale, sequestrou Bruce durante a última “Iron Maiden”.

O sombrio colectivo de weirdos de Simon, incluindo um anão com uma motosserra e uma senhora musculada com dreadlocks, forçou Bruce a entrar numa donzela de ferro (oh, a ironia). Os fãs assistiam enquanto os espetos saíam lentamente do dispositivo. Uma portinhola convenientemente posicionada foi aberta, revelando o rosto ‘morto’ do vocalista, com sangue a escorrer dos lábios. Por último, a mascote da banda, Eddie, entrou, empalou Simon e removeu a cabeça de Bruce, montando-a no cadáver do ilusionista. Rolam os créditos.

Nem a banda nem Bruce brilharam tanto após a separação. Embora o vocalista tenha obtido aclamação com os seus álbuns a solo “Accident of Birth” e “Chemical Wedding”, não conseguiu fazer grande coisa a nível comercial. Enquanto isso, os seus ex-companheiros lançaram um par de álbuns mal recebidos com o vocalista substituto Blaze Bayley. A reunião das partes em 1999 foi uma bênção para todos, especialmente para os fãs, que desde então desfrutam de duas décadas de magnificência revigorada.

Consultar artigo original em inglês.