Imbuídos do espírito artístico norueguês por herança, mas a percorrerem o seu caminho individual, os Draugsang apresentam-nos no EP “Nordlands Trompet” paisagens sónicas da... Draugsang: andando sozinhos

Origem: Noruega
Género: metal/northern metal
Último lançamento: “Nordlands Trompet” (2019)
Editora: independente
Links: Facebook
Entrevista e review: João Correia

Imbuídos do espírito artístico norueguês por herança, mas a percorrerem o seu caminho individual, os Draugsang apresentam-nos no EP “Nordlands Trompet” paisagens sónicas da sua terra natal, sempre com sentimentos como a depressão como fiéis aliados.

«Como é habitual, gostamos do estilo sombrio, melódico e repetitivo da música. É algo que continuaremos a desenvolver, mesmo que este EP não seja o melhor exemplo disso.»

O que esperar: «Este lançamento é uma amostra da música gravada nos últimos anos. Não temos sido a banda mais activa, mas, recentemente, começámos a gravar coisas novas. Como se trata de um lançamento de autor e não temos distribuição e boa promoção, existe uma boa hipótese de que esta edição acumule pó nos cantos mais obscuros das plataformas de streaming, logo, acho que o fizemos principalmente para nossa própria satisfação. Mas espero que haja mais pessoas por aí que gostem da e que entendam a nossa música.»

Conceito: «O principal conceito para nós sempre foram os mitos e as lendas em volta do mar. E, acima de tudo, a natureza e a cultura costeira do norte da Noruega. As letras são, como sempre, escritas e apresentadas no dialecto do norte da Noruega. Têm observações filosóficas negras, mas também mais neutras, da paisagem costeira do Ártico.       »

Influências: «Crescemos a ouvir o black metal dos anos 90, mas não vou dizer que é uma das principais inspirações actualmente. Quando penso nisso, não acho que haja uma banda em particular que nos inspire mais do que outras, portanto, nomear bandas em particular não faria sentido. Alguns de nós têm um background de punk rock e acho que isso pode ser ouvido em algumas músicas. Ultimamente, também tentamos incorporar notas xamanísticas na música com vozes limpas. Como é habitual, gostamos do estilo sombrio, melódico e repetitivo da música. É algo que continuaremos a desenvolver, mesmo que este EP não seja o melhor exemplo disso.»

Review: O que mais sobressai em “Nordlands Trompet” é a ausência de vontade ou necessidade dos Draugsang em darem continuidade aos clichés. O EP prima por um som cheio e totalmente nítido, o que destoa da habitual oferta norueguesa mais crua, mas é demarcadamente black metal, épico, ritualista, agressivo a tempos e nortenho por excelência. Ou seja, bastante interessante. Por vezes, denotam influências de Khold graças a partes mais groovy; noutras, dos Shining de Niklas Kvarforth graças à sensação de apatia que transmitem. Mas nota-se um selo distinto, uma originalidade proprietária e que certamente poderá ser desenvolvida para criar algo de verdadeiramente especial. Trabalho de bateria gigantesco, vozes límpidas xamanísticas, bem como extremamente agressivas por vezes e uma noção de orientação muito apurada fazem de “Nordlands Trompet” um EP a descobrir pelos interessados em música original e de qualidade. Por fim, de referir que os Draugsang são compostos por dois músicos. Imaginem se fossem três.