Lucassen soube construir uma obra épica e consistente. Ayreon “Transitus”

Editora: Music Theories Recordings
Data de lançamento: 25.09.2020
Género: prog / melodic metal/rock
Nota: 4/5

Lucassen soube construir uma obra épica e consistente.

Vamos começar por retirar uma ou duas coisas do caminho. Primeiro, apesar de ter pertencido muitos anos ao catálogo da InsideOut, uma editora maioritariamente de bandas progressivas, o projecto Ayreon, do holandês Arjen Lucassen, não é progressivo. Não no sentido de ter ritmos complexos, riffs que é preciso ouvir com uma máquina calculadora ao lado e solos cheios de malabarismos técnicos. Depois, quem colocar os conceitos de inovação e originalidade na análise de um projecto que basicamente edita óperas rock há 25 anos, vai possivelmente desiludir-se com “Transitus”, o décimo primeiro e novo trabalho de Ayreon. Se mesmo Tobias Sammet e os seus Avantasia soavam a Ayreon, porque não haveria Ayreon soar a Ayreon?

Posto isto, Arjen Lucassen sai da sua temática habitual de sci-fi e apresenta-nos uma ópera rock de horror gótico passada no Séc. XIX. São 22 faixas, divididas por dois discos, entre temas de rock/metal e uma narração que nos acompanha ao longo da história feita pela voz profunda e nasalada de Tom Baker, o actor octogenário que ficou conhecido como a quarta incarnação do Doutor na famosa série da BBC, Doctor Who. Em termos de envolvência, estamos conversados. Depois, Arjen Lucassen, rato velho nestas coisas, não se apressa a contar a história e vai desenrolando músicas e enredo devagarinho, ao mesmo tempo que desenrola a luxuosa lista de convidados/personagens com que trabalhou nos últimos três anos para construir o universo de “Transitus”. Destaque para as personagens principais, o duo amoroso Daniel (Tommy Karevik, de Kamelot) e Abby (Cammie Gilbert, de Oceans Of Slumber), cujas interpretações e argumentos técnicos dispensam apresentações. Dee Snider (Twisted Sister), Simone Simons (Epica), Johanne Janes (Threshold), Amanda Sommerville (Exit Eden, Avantasia, Trilium) e Marcela Bovio (Mayan) são apenas alguns dos outros vocalistas envolvidos numa lista demasiado longa para desenrolar toda aqui. Do lado instrumental, Joe Satriani, Marty Friedman e Joest van der Broek (ex-After Forever) são cabeças-de-cartaz de um grupo de músicos que inclui violoncelo, violino, sanfona, trompa e outros instrumentos de sopro.

Com todas estas peças à disposição e uma ambiciosa história gótica de fantasmas, com elementos de terror e sobrenaturais, qualquer outro músico que não Arjen Lucassen borrar-se-ia todo e acabaria com um esgotamento antes de terminar o puzzle. O holandês, não. Entre temas mais rock e hard rock, outros em que os instrumentos clássicos dão uma aura de banda-sonora ao disco e ainda outros em que o lado mais vocal de ópera rock é trazido para a ribalta, Lucassen soube construir uma obra épica e consistente. “Transitus” entretém, conta a história, acompanha-a com momentos musicais diferentes e adequados, e ainda apresenta malhas capazes de rivalizar com os melhores momentos do seu próprio fundo de catálogo. Pelo meio, Arjen acrescenta-lhe ainda pormenores que fazem de “Transitus” um disco que compensa redescobrir devagarinho, mesmo depois de as melodias mais orelhudas estarem aprendidas e toda a cascata de arranjos ser desbravada. É caso para dizer: é obra.