Possivelmente desconhecido mas promissor, Wild Hunt é um projecto que une heavy e folk metal de forma muitíssimo cativante. Wild Hunt: acordar os deuses

Origem: Brasil
Género: heavy/folk metal
Último lançamento: “Awakening of the Wild Spirits” (EP, 2018)
Editora: independente
Links: Facebook | YouTube
Entrevista e review: Diogo Ferreira

Possivelmente desconhecido mas promissor, Wild Hunt é um projecto que une heavy e folk metal de forma muitíssimo cativante.

«O objectivo do lançamento é apresentar o projecto ao cenário internacional.»

Objectivos: «O objectivo do lançamento é apresentar o projecto ao cenário internacional. Wild Hunt é um projecto temático de metal pagão, cujo objectivo é misturar heavy / thrash / black metal dos anos 1980/1990 com melodias mais épicas e folclóricas.»

Conceito: «O álbum tem três camadas. A sua estética é baseada principalmente em “Slaine”, de Simon Bisley. Daí surge a abordagem bruta dos elementos celtas. O EP é um mini-álbum conceptual baseado em “The Hero of a Thousand Faces”, de J. Campbell, e “King, Warrior, Magician, Lover”, de Moore & Gilette (ambos psicólogos Junguianos). O álbum pode ser ouvido como uma história de espadas e feitiçaria. Mas há também uma história psicológica subjacente sobre o súbito despertar para os desafios da vida que não conhecíamos, as dificuldades em superá-los e a morte simbólica (de quem eras antes) que surge com uma luta para ultrapassar esses desafios.»

História: «A história de Wild Hunt remonta ao período entre 2000 e 2008, quando tive outra banda chamada Akallabêth. Estávamos a tentar criar o mesmo tipo de som, mas com letras baseadas principalmente em Tolkien. Devido às constantes mudanças na formação e aos diferentes gostos musicais dos membros, experimentámos diferentes estilos no campo do folk metal, desde bandas como Isengard, Otyg e Satyricon antigo até ao heavy metal de Skyclad e Mago de Oz. Finalmente acabámos por tocar metal mais extremo. Em 2008, a banda acabou e decidi criar um novo projeto, onde reorganizei todos os elementos musicais para criar um estilo mais consistente. Naquela altura, gravei algumas demos com distribuição muito limitada e comecei a procurar por membros, mas foi apenas em 2018 que finalmente decidi gravar o EP e continuar com Wild Hunt como projecto a solo, pelo menos por enquanto.»

Review: Só há um método para acordar os deuses: com metal guerreiro e rebelde! Por isso, o despertar dos espíritos antigos e a formação de fileiras estão garantidas com o heavy metal pagão destes brasileiros. Temas como “Savage Rebel”, pertencente ao até agora único EP na discografia, mostram uma faceta diversificada em termos estruturais e uma agradável quantia de ideias de composição evidenciada pelas guitarras. Que as gargantas se soltem e os punhos se ergam!