“Locked & Loaded” é um disco competente no que toca à execução musical – no entanto, apresenta uma sonoridade demasiado rebuscada... Voodoo Circle “Locked & Loaded”

Editora: AFM Records
Data de lançamento: 15.01.2021
Género: hard rock
Nota: 3/5

“Locked & Loaded” é um disco competente no que toca à execução musical – no entanto, apresenta uma sonoridade demasiado rebuscada com alguma falta de originalidade.

Em “Locked & Loaded”, os Voodoo Circle apresentam uma abordagem mais pragmática ao apostarem numa sonoridade revivalista como forma de se homenagear os grandes nomes do hard rock / heavy blues dos 70s e 80s.

As referências estão bem vincadas. A abertura “Flesh & Bone” e “Eyes Full of Tears” trazem reminiscências de Whitesnake e de Deep Purple (Mark III line-up). A primeira surge numa cavalgada rítmica galopante acompanhada por riffs espessos, enquanto a segunda reforça todos os elementos que caracterizam uma power-ballad, com a bateria de Markus Kullman a ecoar de forma clara, a guitarra de Alex Beyrodt a soar dinâmica e timbricamente consistente, e os vocais de David Readman a transbordarem de emoção, no entanto, demasiado agarrados aos de Coverdale e com falta de uma identidade própria.

A ideia inicial de Beyrodt, mentor dos Voodoo Circle, era apresentar um álbum com uma sonoridade retro inspirada em Led Zeppelin. Desta forma, é em “Wasting Time”, “Devil With An Angel Smile” e “Magic Woman Chile” que encontramos o miolo e o conceito por detrás do álbum. “Wasting Time” atinge-nos com a sua densidade sonora exuberante apoiada por uma bateria reverberante, tão característica de Bonham, e orquestrações épicas apresentadas pelo teclista Corvin Bahn. Já em “Devil With An Angel Smile” torna-se impossível não ouvir as referências ao riff e à batida de “The Ocean”, neste caso com Kullman e Beyrodt a destilarem um groove descomunal. A concluir a trilogia, “Magic Woman Chile” apresenta-se como a mais interessante – com a sua moldura sonora transcendental, é talvez a melhor faixa que os Led Zeppelin nunca compuseram, desde a sua introdução hipnotizante à exploração de práticas musicais orientais com o uso da tabla, passando pelas orquestrações no refrão e solo que nos atingem com a magnitude de uma peça sinfónica.

A segunda metade do álbum revela-se mais heterogénea com as bem pesadinhas “Straight for the Heart” e “Trouble in the Moonlight” a roçarem um heavy metal melódico, enquanto a mais experimental “Devil´s Cross” volta-nos a remeter para a primeira metade do álbum. “This Song Is for You” abranda a pulsação com uma balada num formato bluesy – no entanto é relevante voltar a destacar pela negativa os vocais de David Readman, não do ponto de vista técnico, nesse aspecto bastante competente, mas do ponto de vista tímbrico, apresentando ao longo do álbum falta de carácter e autenticidade, sem se conseguir descolar de Coverdale, como já tinha sido referido anteriormente, mas também de Plant.

Ao fim e ao cabo, “Locked & Loaded” é um disco competente no que toca à execução musical – no entanto, apresenta uma sonoridade demasiado rebuscada com alguma falta de originalidade. Numa altura em que assistimos a bandas como os The Dead Daisies ou Rival Sons a apresentarem um hard rock mais contemporâneo e refrescante, pedir-se-á também aos Voodoo Circle que se reinventem já no próximo álbum.