Adeptos da experimentação, do black metal e do grindcore, os canadianos Sophist apresentam em “Betrothal to the Stone: Conception of Mephisto” uma forma muito... Sophist: black metal fora da caixa

Origem: Canadá
Género: black metal/grindcore
Último lançamento: “Betrothal to the Stone: Conception of Mephisto” (2019)
Editora: independente
Links: Facebook | Bandcamp
Entrevista: João Correia | Review: Diogo Ferreira

Adeptos da experimentação, do black metal e do grindcore, os canadianos Sophist apresentam em “Betrothal to the Stone: Conception of Mephisto” uma forma muito particular de expressar a sua música.

«Estamos a começar, mas o LP em que já estamos a trabalhar será ainda mais rápido e mais agressivo.»

O que esperar: «Queríamos criar a combinação mais insana de black metal/grindcore que pudéssemos e produzir um EP à velocidade da luz, sem perder tempo. Foi um trabalho extremamente duro e focámo-nos intensamente. Podem esperar por toneladas de blastbeats, guitarras cortantes, mudanças de tempo, tempos muito rápidos, camadas e mais camadas de vocais e uma atmosfera sombria.»

Conceito: «O conceito centra-se no misticismo, no oculto e na alquimia. A letra é inspirada num (e faz referência a um) texto chamado “Hermaphrodite Child of the Sun and Moon”. Depois de passar muito tempo a ler, escrevi letras que criam uma narrativa imensamente simbólica utilizando os temas do texto.»

Influências: «Estamos a começar, mas o LP em que já estamos a trabalhar será ainda mais rápido e mais agressivo. Somos influenciados por Mayhem, Napalm Death, Anaal Nathrakh, Rotten Sound, Exhumed, Dead Kennedys, Behemoth, Darkthrone, Shining, Fukpig e muitos outros artistas nessas linhas.»

Review: Black metal e grindcore raramente andam de mãos dadas, mas os Sophist conseguem criar exercícios muito interessantes que, para além dos estilos referidos, navegam ainda pelos mares do avantgarde, do experimental e do industrial. Sente-se uma inexperiência clara e imediata, mas também um fascínio moderado que nos leva a pensar como é que os Sophist serão com mais experiência e melhores conhecimentos gerais, da técnica à produção. Depois, são senhores de riffs simplesmente viciantes, que podem ser comprovados no tema-título “Betrothal to the Stone: Conception Of Mephisto”. O underground nunca deixa de nos surpreender. Felizmente.