Projecto pessoal do norte-irlandês Andy Clarke, Sollein traduz profundas emoções negativas em black metal que é depressivo, lento, melancólico e contemporâneo. Sollein: o tempo que devora

Origem: Irlanda do Norte
Género: depressive/post-black metal
Último lançamento: “Another Side of Sadness” (single, 2020)
Editora: Persolus Records
Links: Facebook | Bandcamp

Projecto pessoal do norte-irlandês Andy Clarke, Sollein traduz profundas emoções negativas em black metal que é depressivo, lento, melancólico e contemporâneo.

«O resultado é uma audição emotiva e depressiva.»

Propósito: «Às vezes encontro-me cheio de criatividade, mas sem meio de saída. Existem muitas ideias e emoções que sinto que têm de ser traduzidas em música, mas muitas vezes tal não é alcançável numa banda. Por esta razão, comecei Sollein – escrever música sem limites, sem constrições que geralmente me sinto compelido a impor a mim mesmo. Incluí sintetizador, várias guitarras e vozes limpas, tudo interligado numa proposta black metal. O resultado é uma audição emotiva e depressiva. Isto deixa-me feliz.»

Conceito: «O single foi a segunda música composta para Sollein e a única faixa lançada até agora. É baseada no reconhecimento da idade, o facto de que tudo o que fazemos na vida tem o seu preço na longevidade, o que muitas vezes tem uma conotação negativa. Cheguei a um ponto na minha existência em que se tornou evidente que não podemos fazer nada para sempre, e as coisas que antes traziam alegria começam a desaparecer com o tempo. Em suma, o fardo dos anos devora-nos, deixando apenas a terra.»

Composição e influências: «Sollein está nos seus estágios iniciais, portanto a evolução apenas começou. Acho que as faixas iniciais começaram de forma bastante simplista, mas quanto mais escrevo mais texturas e nuances são tecidas na música. Faço este projecto porque gosto do processo, portanto fico satisfeito quando passo horas a experimentar diferentes paisagens sonoras, a adicionar segmentos extra para transmitir a emoção que estou a tentar traduzir em som.
Ouço muita música, mas é sempre centrado à volta de death metal e black metal lentos. Não costumo afastar-me muito do metal, que tem sido a base da minha vida. Para Sollein, acho que recorri principalmente ao black metal dos anos 90, mas incorporei pedaços de doom da mesma época.»

Review: Projecto pessoal de Andy Clarke, Sollein apresenta-se com um single baseado nas raízes do depressive-suicidal black metal, mas, e com a evolução de todo o metal, não é de estranhar que o norte-irlandês se incline bastante a sonoridades mais modernas, mais contemporâneas e menos primitivas, algo que se sustenta naquilo a que hoje chamamos de post-black metal. Ao longo de cerca de seis minutos mergulhamos num mundo em rotação à volta de tempos lentos e médios em que as guitarras – ora melódicas, ora dissonantes – choram saudades e o peso de fardos que nos devoram quotidianamente.