Portadores da chama eterna do heavy metal/power metal tradicional, os norte-americanos Silver Talon têm tudo o que uma banda da primeira liga do género... Silver Talon: tradição ao mais alto nível

Origem: EUA
Género: heavy/power metal
Último lançamento: ”Becoming A Demon” (EP, 2018)
Editora: independente
Links: Facebook | Bandcamp
Entrevista e review: João Correia

Portadores da chama eterna do heavy metal/power metal tradicional, os norte-americanos Silver Talon têm tudo o que uma banda da primeira liga do género necessita. Provavelmente porque já são uma banda da primeira liga.

«Os principais temas têm muito a ver com estruturas de poder e perda de controlo como ser humano, desde perder a tua humanidade para a indústria/tecnologia ou a tua alma para as forças do mal.»

O que esperar: «Com ex-membros dos americanos Spellcaster e membros actuais dos Idle Hands, o EP de estreia do Silver Talon teve como objectivo pegar no trabalho anterior dos Spellcaster e expandi-lo, tornando-o mais pesado, agressivo, técnico e com mais solos de guitarra do que antes. Esta estreia apresenta um som e a sensação de um álbum clássico de heavy metal trazido para o mundo moderno.»

Conceito: «Os principais temas têm muito a ver com estruturas de poder e perda de controlo como ser humano, desde perder a tua humanidade para a indústria/tecnologia ou a tua alma para as forças do mal; a mensagem geral é aproveitar o poder interno e combater e, através de sangue, suor e lágrimas, criar o tipo de futuro em que desejas viver.»

Influências: «A evolução do som desde os Spellcaster aos Silver Talon traduz-se por um aumento geral no peso, técnica e músicas. As influências incluem Sanctuary, Nevermore (também temos um solo do nosso convidado Jeff Loomis numa versão de “Battle Angels”, dos Sanctuary), Savatage, Symphony X e King Diamond.»

Review: Os Silver Talon são uma máquina anormalmente técnica que recompensa o ouvinte com “Becoming A Demon”, uma aula de virtuosismo ministrada por músicos da mais alta estirpe e que fazem com que nunca exista um momento morto. “Devil Machine” é o exemplo perfeito de tudo o que uma banda deste género tem de melhor: um vocalista prodigioso, dois guitar heroes, qual deles o mais sofisticado, um baterista que gosta de meter o pé no acelerador e, em suma, um colectivo que fará as delícias dos fãs de Symphony X, Helloween ou Nevermore, entre muitos outros. Claro que a mãozinha do mestre Jeff Loomis num dos temas é só mais uma confirmação, não é? Impressionantes.