Áspero e a tempos desolador, mas melodioso, épico e algo sinfónico. Serment “Chante, Ô Flamme de la Liberté”

Editora: Sepulchral Productions
Data de lançamento: 24.06.2020
Género: black metal
Nota: 3.5/5

Áspero e a tempos desolador, mas melodioso, épico e algo sinfónico.

“Chante, Ô Flamme de la Liberté” é o primeiro álbum de Serment, projecto a solo de Moribond, também membro dos Forteresse, banda de black metal melódico do Québec que tem na sua discografia trabalhos estupendos como “Thèmes pour la Rébellion” (2016).

Continuando a cantar em francês e mantendo um certo sentido patriótico em relação ao Québec, o músico orienta este empreendimento a temáticas mais místicas e fantasiosas do que propriamente históricas e independentistas. Assim, neste longa-duração é-nos contada a lenda que junta um pacto com o diabo e uma jornada à descoberta de herança perdida.

Tudo construído através de black metal atmosférico e melódico, destacam-se as densas paredes sonoras que criam um ambiente envolvente e sem espaços vazios. De modo a complementar essa sensação, são utilizados teclados que germinam uma toada que tanto pode ser épica como melancólica, estando esta ferramenta sempre muito presente. Na ala mais negra e suja q.b. surgem as vozes agonizantes e as tradicionais guitarras repetitivas que tanto se erguem em breves dissonâncias de fundo como em leads melódicos.

Áspero e a tempos desolador, mas melodioso, épico e algo sinfónico, “Chante, Ô Flamme de la Liberté” é um óptimo ponto de partida para Moribond explorar territórios mais pessoais e solitários fora de Forteresse. Para fãs de Grimoire e Woods of Desolation, Serment é Métal Noir Québécois no seu melhor.