A paixão pelo power metal e pelas ramificações mais tradicionais do heavy metal fez com que os irmãos Tekas formassem uma banda e a... Scorcher: a tradição está viva

Género: power metal
Origem: Grécia
Último lançamento: Systems of Time (2018)
Editora: Steel Gallery Records
Links: Facebook | Bandcamp
Entrevista: Joel Costa | Review: Diogo Ferreira

A paixão pelo power metal e pelas ramificações mais tradicionais do heavy metal fez com que os irmãos Tekas formassem uma banda e a dessem a conhecer ao mundo. Hoje, a Metal Hammer Portugal dá a conhecer os Scorcher aos metalheads do nosso país.

O heavy metal é uma afirmação e um estilo de vida.

Composição: «Quisemos levar as coisas um pouco mais à frente. Os nossos temas foram evoluindo até chegarem a este ponto em que são mais complexos e interessantes. Quisemos igualmente tentar manter o espírito do metal vivo e sublinhar a base revolucionária deste movimento musical que actualmente não é tão apoiado pelas bandas de metal. O heavy metal é uma afirmação e um estilo de vida, e é assim que vivemos. Espero que esta mensagem passe para o ouvinte assim que carregar no botão play

Evolução: «Desde o nosso disco de 2012 “Armageddon from the Sky”, a sonoridade transitou de um estilo épico e heavy para algo mais veloz e pesado neste “Systems of Time”, de 2018. Foi tudo diferente: o momento, as situações e as influências.»

Legado: «Gosto de pensar que “Systems of Time” mantém o legado das bandas de heavy metal clássicas. Todos os fãs de metal deverão ficar satisfeitos por ouvir-nos, independentemente do seu estilo favorito de metal.»

REVIEW
Scorcher
«Systems of Time»

Steel Gallery Records, 2018


Três álbum em seis anos é uma boa média, especialmente para projectos menos conhecidos. Da Grécia, os Scorcher terminaram 2018 com o “Systems of Time”, um álbum de power metal rude como já há muito não se faz. E quando se fala em rudeza, tem a ver com a forma pronta e seca com que se capta e executa. Para além do power metal, há também algum jazz no baixo de Chris Tekas, algum thrash metal nos riffs de Vangelis Tekas e outro tanto heavy metal na sua voz que muito bebe de Iron Maiden em temas como “Wired Nature” que oferece um refrão a fazer lembrar a “Invaders”.