Shadows Fall? Bleeding Through? Unearth? O que aconteceu às bandas da New Wave Of American Heavy Metal? New Wave Of American Heavy Metal: onde estão agora?

Shadows Fall? Bleeding Through? Unearth? O que aconteceu às bandas da New Wave Of American Heavy Metal?

Lamb Of God em 2020

Na viragem do milénio, quando o nu-metal se tornou uma paródia de si mesmo, os metaleiros que procuravam um novo som encontraram esperança num grupo de bandas novas que surgiam nos Estados Unidos. Centrados principalmente em New England e Orange County, Califórnia, grupos como Killswitch Engage, Shadows Fall, Unearth e Bleeding Through foram baptizados como New Wave of American Heavy Metal no seguimento do inovador movimento britânico que, 20 anos antes, deu origem a bandas como Iron Maiden e Judas Priest.

Actualizando a fusão de metalcore que surgiu no final dos anos 1990 com uma mistura de thrash dos anos 1980, twin-leads clássicos da NWOBHM e pesadas doses de death metal melódico sueco, o estandarte da NWOAHM cobriu tudo, desde os breakdowns de Hatebreed e os riffs selvagens de Lamb Of God até ao eye-liner de Atreyu e Avenged Sevenfold e o final da igualmente crescente cena post-hardcore. Como todos os movimentos rock, a explosão do metalcore dos anos 2000 ficou rapidamente congestionada e desapareceu, embora a sua influência e muitos dos seus grandes nomes ainda andem por aí.

-/-

KILLSWITCH ENGAGE
Quem eram: Grupo que lançou mil imitações inferiores, os pioneiros do Massachusetts surgiram das bandas locais Overcast e Aftershock para estabelecerem um novo som influenciado pelo de Gotemburgo com alguns dos maiores refrãos que o metal já produziu. Os álbuns “Alive Or Just Breathing” e “The End Of Heartache” mudaram o jogo.
Onde estão agora: Ainda é um dos nomes maiores e mais fiáveis do metal. O regresso do vocalista Jesse Leach em 2012 originou um impulso colossal com “Disarm The Descent” de 2013, enquanto “Atonement”, do ano passado, foi outro lançamento sólido. O guitarrista e produtor extraordinaire de metalcore Adam Dutkiewicz ainda anda aos saltos em todos os palcos que pisa.

-/-

SHADOWS FALL
Quem eram: Outra banda com raízes em Overcast e Aftershock, a mistura do quinteto entre sensibilidades metalcore e padrões clássicos metal viu-os invadir o Top 20 da Billboard com “The War Within”, de 2004, e assinar um contrato com uma editora grande.
Onde estão agora: Apesar de lançamentos consistentemente excelentes, a queda de Shadows Fall foi uma das mais drásticas do género. Logo após Johnathan Donais ter assumido as seis cordas em Anthrax, a banda entrou em hiato em 2015, com o vocalista Brian Fair (cujos dreadlocks ainda são enormes) a anunciar uma digressão europeia final: «Vamos para casa para que os nossos filhos saibam quem nós somos.» Segundo Fair, estavam a planear alguns concertos de reunião antes da pandemia da COVID-19 se meter no caminho.

-/-

LAMB OF GOD
Quem eram: Originalmente Burn The Priest, os virginianos sempre se destacaram do resto da matilha com o seu ataque serrilhado de thrash e a voz trituradora de Randy Blythe. Basicamente, os Slayer da NWOAHM.
Onde estão agora: Uma das maiores e mais fiáveis bandas de metal. Depois de passarem pelo julgamento por homicídio de Randy, em 2013, na República Checa, e pela saída do baterista Chris Adler, lançam o novo álbum, “Lamb Of God”, em Junho de 2020.

-/-

CHIMAIRA
Quem eram:
Adicionando uma faceta electrónica ao seu metal musculado, os Chimaira, de Cleveland, tinham a reputação de darem os melhores concertos. Alegam ter inventado o rótulo NWOAHM com uma t-shirt. O vocalista Mark Hunter apareceu na capa da Hammer num especial sobre a NWOAHM.
Onde estão agora: Inúmeras mudanças de formação atrapalharam a banda, com os Dååth, da Georgia, a serem metade das fileiras por altura do último álbum “Crown Of Phantoms” em 2013. Os Chimaira deram um concerto de reunião no Natal de 2017, enquanto Hunter, agora fotógrafo, recentemente recuperou de um cancro na tiróide.

-/-

UNEARTH
Quem eram:
Mestres do breakdown, os provedores de shred e concertos tumultuosos de Boston lançaram alguns dos clássicos indiscutíveis do género com “The Stings Of Conscience”, “The Oncoming Storm” e “The March”.
Onde estão agora: Embora também sofram com a queda do metalcore, os Unearth nunca saíram de cena ao fazerem digressões e ao gravarem material novo. O lançamento mais recente, “Extinction(s)”, é uma força venenosa que deve tanto ao hardcore moderno como a nomes como Pantera e In Flames.

-/-

GOD FORBID
Quem eram:
O quinteto de Nova Jérsia concentrava-se nos guitarristas e irmãos Doc e Dallas Coyle. No entanto, o estrondoso “Gone Forever” e o ambicioso “IV: Constitution Of Treason” nunca obtiveram a aclamação que mereciam.
Onde estão agora: O impacto da banda começou a diminuir à medida que se mudaram para um território mais aspirante em álbuns posteriores, até que encerram a loja em 2013. Doc Coyle teve uma segunda oportunidade com Bad Wolves.

-/-

HATEBREED
Quem eram:
Gigantes do hardcore, foram englobados nos seus pares da NWOAHM. O vocalista Jamey Jasta apresentou o ressuscitado Headbanger’s Ball de 2003, dando a muitas bandas da época um impulso útil através dos ecrãs de TV.
Onde estão agora: Sem nunca terem parado de fazer digressões enquanto lançavam alguns dos álbuns mais importantes do hardcore, Hatebreed é um dos nomes mais omnipresentes do mundo pesado. Silenciar chorinhas online quando rebentaram no Bloodstock 2012 continua a ser uma prova do seu lugar entre a elite do metal.

-/-

AS I LAY DYING
Quem eram:
Hínicos do metalcore oriundos de San Diego, invadiam continuamente o top 20 de melhores álbuns norte-americanos durante a sua primeira fase. As crenças cristãs da banda contribuíram para o seu tamanho nos EUA, enquanto a obsessão do vocalista Tim Lambesis por Arnold Schwarzenegger resultou em três álbuns como Austrian Death Machine.
Onde estão agora: As I Lay Dying pareciam ter acabado em 2014, depois de Lambesis ter sido preso por encomendar o assassinato da esposa, e o resto da banda formou os banais Wovenwar. No entanto, a banda reuniu-se controversamente após a libertação precoce de Lambesis e regressaram com o álbum “Shaped By Fire” (2019).

-/-

BLEEDING THROUGH
Quem eram:
Liderando a cena metalcore tingida pelo goth em Orange County, os Bleeding Through adicionaram um toque de drama com riffs de black metal e teclados assombrosos à sua agressividade confiante. “This Is Love, This Is Murderous” e “Declaration” ainda estão para ser superados por quem seguiu o seu caminho.
Onde estão agora: Outra banda que viu os seus seguidores desistirem no início dos 2010s, os Bleeding Through terminaram em 2014, com o vocalista Brandan Schieppati visivelmente devastado na digressão final da banda no Reino Unido. No entanto, a uma reunião única em 2016 seguiu-se a total reformulação da banda em 2018 com o novo álbum “Love Will Kill All”.

-/-

36 CRAZYFISTS
Quem eram:
Uma das poucas bandas do Alasca que impressionou, os 36 Crazyfists misturaram metal, rock e post-hardcore com a voz idiossincrática de Brock Lindow, com grande efeito em álbuns como “A Snow Capped Romance”.
Onde estão agora: O estilo único dos 36 Crazyfists também parecia ser o seu defeito, sem nunca se encaixarem em lado nenhum e falhando em obter a mesma tracção dos seus contemporâneos, apesar de excelentes álbuns e do apoio da Roadrunner Records. Mas ainda por cá andam, tendo lançado o último álbum “Lanterns” em 2017 e tocando incessantemente para uma base de fãs obstinada.

Consultar artigo original em inglês.