Da Bélgica, os Nether trazem-nos o seu black metal melódico com trejeitos bastante crus e bucólicos. Nether: entre árvores, nevoeiro e sombras

Origem: Bélgica
Género: black metal
Último lançamento: “Between Shades and Shadows” (2020)
Editora: Art Gates Records
Links: Facebook | Bandcamp

Da Bélgica, os Nether trazem-nos o seu black metal melódico com trejeitos bastante crus e bucólicos.

«Como uma árvore, todo o ser humano está enraizado no seu próprio solo.»

O álbum: «Partindo do conceito do álbum e das influências com que lidamos, queríamos criar um álbum forte e poderoso. Portanto, tinha de ser cru, rápido e ainda assim melódico. Estamos muito satisfeitos com o resultado. A razão para isso é que todas as músicas de “Between Shades and Shadows” foram criadas como banda, trabalhamos juntos na sala de ensaio. Cada um de nós foi capaz de interpretar os papéis que queria e tudo se encaixou perfeitamente. Com a ajuda de Andy Classen fomos capazes de colocar o som no álbum que queríamos exactamante. Foi um trabalho tremendo que fizemos em tão pouco tempo, mas estamos muito satisfeitos com os resultados e as reacções dos fãs até agora.»

Conceito: «Como uma árvore, cada pessoa está enraizada no seu próprio solo. De uma perspectiva pessoal, cada um de nós tem o seu cerne e é aí que devemos ir à procura. Há anos que escrevo letras que são construídas sobre acontecimentos e histórias pessoais – acho fácil escrever e construir letras destiladas do quotidiano. Cada um de nós tem a sua vida, as suas raízes na sociedade, e, como tal, procuramos interagir com esta sociedade mais ou menos através de algum tipo de relacionamento com as pessoas. A árvore é o principal símbolo desta vida, desta vida quotidiana. Cada árvore tem as suas próprias raízes e bebe do solo onde está. É por isso que a árvore é usada na capa do álbum de estreia. Mais importante, também é usado no logótipo da banda. Se olharem mais de perto, esse logótipo tem no ‘h’ uma entrada, um portal para essas raízes pessoais. A pessoa na capa e na contracapa está a deambular, parece que está perdida na natureza, na sociedade. Essas fotos, tiradas pelo artista ucraniano Artem Gordienko, simbolizam exactamente o tema do álbum. Todos nós somos pessoas que vagueiam pela vida como se estivéssemos perdidos. Nesse ponto, é preciso regressar-se às raízes pessoais, ao solo pessoal.»

Sonoridade e influências: «Nether é uma banda profundamente influenciada pela cena black metal escandinava dos anos 1990. Bandas como Dissection, Dawn, Naglfar, Setherial e Marduk definiram o cenário naquela altura. Enquanto ouvem o álbum, provavelmente ouvirão algumas pitadas de death metal (como Belphegor) ou influências do black metal melódico grego (Rotting Christ). Porquê esse tipo de influência? Crescemos com essa música, crescemos com esse tipo de black metal agressivo, cru e melódico. Como todo o indivíduo, pode afirmar-se que o artista nos formou como pessoas e como músicos. Black metal é o que está no âmago de cada membro de Nether. Pode afirmar-se que não tocamos nada novo ou refrescante, e isso está correcto, mas o poder da música está na mensagem que trazes e como a transmites.»

Review: Fundados recentemente, estes belgas não perderam tempo e invadiram o campo de batalha com um primeiro álbum que se constitui maduro e cheio de intenção. Feito de black metal, “Between Shades and Shadows” é essencialmente encorpado e agressivo, mas também bastante melódico e com alguns apontamentos mais melancólicos, como se pode ouvir em faixas como a espantosa “The Blood is Gone”. Indicado para fãs de black metal que tanto tem de áspero como de melodioso e de bucolismo.