Um EP bizarro e caótico, cantado em bom português com língua ácida e afiada, preenchido por quinze minutos de puro black metal ruidoso e... Maldito “O Renascer, O Crer”

Editora: War Arts Productions
Data de lançamento: 05.06.2020
Género: black metal
Nota: 4/5

Um EP bizarro e caótico, cantado em bom português com língua ácida e afiada, preenchido por quinze minutos de puro black metal ruidoso e demolidor.

O projecto Maldito desvenda um novo power-trio composto por velhos conhecidos da cena black metal nacional com uma pedrada no charco. NH (Corpus Christii), Sabaoth (Flagellum Dei) e Koraxid (Grievance) são os três cavaleiros do Apocalipse responsáveis, três persistentes veteranos com um longo rasto negro entre a tribo dos desalinhados na música extrema made in Portugal.

No manifesto enviado à redacção, acusam a falta de honestidade artística no seio duma comunidade rendida aos hábitos consumistas e a contaminação deste subgénero por outras ondas, e propõem-se a desviar o ouvinte para a confrontação fora da habitual zona de conforto. “O Renascer, O Crer” deixa o diabo à solta e dá a táctica de combate ao abastardamento deste género musical em quatro capítulos e quinze minutos assediados pela loucura e contagiados pela fúria. A edição em cassete é da responsabilidade da War Arts Productions.

O feedback nos primeiros instantes do “Capítulo I” (seguido do detonar do bombo num ruído surdo e constante pelo baterista com voz de víbora cavernosa, e dos riffs incendiários produzidos pela engrenagem dos dois guitarristas – NH e Sabaoth – na construção de um hipnótico mantra) anunciam a produção crua com um som saturado, ritmos velozes e a carga duma valente trovoada.

A entrada no “Capítulo” II dá-se num compasso mais arrastado e melancólico, num tema pontuado por abruptas mudanças de velocidade e momentos relampejantes em que a estridência dos pratos e da voz enfurecida e sibilante encaixa no zumbido intenso da bateria e das guitarras.

O “Capítulo III” retoma a velocidade e a ferocidade do primeiro pelo meio de alguma cacofonia, em que, no entanto, se ouvem as palavras com clareza, numa faixa marcada por sucessivas quebras, blast-beats e um hínico jogo de guitarras.

O último capítulo, o quarto, talvez seja o que denota um melhor resultado do entrosamento no desempenho desta formação, sobretudo na componente instrumental das guitarras. É como se Dick Dale, o maestro norte-americano da surf-music, tivesse renascido na Noruega em 1993 para encarnar na figura de Count Grishnackh com um ataque de raiva sob uma boa dose de anfetaminas.

Este é um EP bizarro e caótico, cantado em bom português com língua ácida e afiada, preenchido por quinze minutos de puro black metal ruidoso e demolidor, composto por temas fugazes e turbulentos atravessados pelo Fogo de Santelmo, em que, ao contrário desta crença antiga, depois da tempestade nunca vem a bonança e cada Capítulo é uma nova trovoada. Num projecto impetuoso e impulsivo que vive da espontaneidade não nos parece que exista qualquer roteiro traçado, apenas “…O Crer”. No entanto, “O Renascer…” pede desenvolvimento e cenas dos próximos capítulos ao projecto Maldito.

Rewind & press play.