Legacy Of Brutality, com o álbum "Realm of the Banished Gods" e com o seu death metal incisivo, tem sido do mais entusiasmante a... Legacy Of Brutality: terror cósmico dos deuses banidos

Origem: Espanha
Género: death metal
Último lançamento: “Realm of the Banished Gods” (2019)
Editora: Hecatombe Records / No Humano Records
Links: Facebook | Bandcamp
Entrevista e review: Diogo Ferreira

Legacy Of Brutality, com o álbum “Realm of the Banished Gods” e com o seu death metal incisivo, tem sido do mais entusiasmante a sair de Espanha nos últimos anos. Fica a conhecê-los melhor!

«Somos filhos da música extrema dos anos 1990 e 2000.»

Objectivos: «A nossa intenção era continuar a evoluir o nosso estilo e sonoridade, mas voltando às nossas raízes. Queríamos um álbum muito orgânico, natural e real. O nosso objectivo é alcançar o maior número possível de pessoas e tornar isso agradável, mas o mais importante passa por estarmos satisfeitos com o trabalho que estamos a apresentar ao mundo.»

Conceito: «O conceito do álbum é baseado na decrepitude do mundo que nos rodeia, sempre do ponto de vista da fantasia, expressa através de terror e histórias de terror cósmico. A este respeito, o álbum tem um conceito unido que pode ser vislumbrado na capa e no título também.»

Evolução e referências: «Queremos afastar-nos da produção moderna, da volume war e das substituições sonoras. Queremos que as pessoas ouçam o que somos e o som que realmente sai dos nossos instrumentos. Actualmente, não temos nenhuma referência musical específica. Somos o que ouvimos, e isso inclui uma enorme quantidade de estilos de metal e do exterior dele, mas, principalmente, somos filhos da música extrema dos anos 1990 e 2000.»

Review: Das Astúrias espanholas recebemos um quinteto que bebe sem contrições do death metal sueco popularizado por bandas como At The Gates e Entombed. Com uma sonoridade célere e cortante, os Legacy Of Brutality sabem que neste tipo de sonoridade a melodia é bem-vinda, por isso o tema “Realm of the Banished Gods” representa bem aquilo que pretendem em termos musicais. É daquelas composições que ficam na memória e que vais querer repetir!