Em “III: Shaped by the Unlight” não é permitido espaço para qualquer floreado. Brutalidade é a palavra de ordem. Goath “III: Shaped by the Unlight”

Editora: Ván Records
Data de lançamento: 09.04.2021
Género: black/death metal
Nota: 3.5/5

Em “III: Shaped by the Unlight” não é permitido espaço para qualquer floreado. Brutalidade é a palavra de ordem.

Com toda a ferocidade possível de acumular, os germânicos Goath voltam novamente à carga, com uma explosão de ira e malvadez em peso, neste que já é o seu terceiro disco de estúdio em seis anos de actividade constante.

De uma forma objectiva e directa, em “III: Shaped by the Unlight” não é permitido espaço para qualquer floreado. Brutalidade é a palavra de ordem.

O início dá-se em “Symbiosis of Vengeance and Guilt” com o seu riff introdutório – um tanto ao estilo de “Raining Blood” (Slayer) – e que abre alas para um verdadeiro colosso composto por guturais fortíssimos, suportados por linhas de guitarra e de bateria igualmente robustas. Tudo junto faz com que mergulhemos durante 40 minutos num autêntico poço sem fundo onde a obscuridade transborda, sem um raio mínimo de luz à vista.

A transparecer de certa forma um espírito old-school, e ao mesmo tempo sem querer prestar qualquer tipo de homenagem exagerada ou até mesmo desinspirada, o colectivo da Baviera oferece-nos um black n’ death duro e cru, acrescentando uma singela pitada de thrash metal na faixa homónima.

Não sendo de todo o ponto de viragem de algo, nem sequer do percurso do grupo em si – considerando que não existe grande evolução desde o anterior “II: Opposition” até aqui –, ainda assim, este terceiro capítulo na carreira dos alemães consegue distinguir-se através de temas como “Dissolving Flesh Redemption” ou “Perception”, em que se nota um certo dramatismo na parte vocal, sempre com os restantes instrumentos a servir a música da melhor maneira, o que demonstra não só coesão mas também o interesse em querer acrescentar algo mais em cada novo passo dado em frente.