Tendo em conta que os Opeth têm enveredado por sonoridades mais próximas de um progressivo clássico que conheceu o seu auge entre as décadas... Fredrik Åkesson (Opeth): os meus 5 discos favoritos de rock progressivo

Tendo em conta que os Opeth têm enveredado por sonoridades mais próximas de um progressivo clássico que conheceu o seu auge entre as décadas douradas dos anos 1960 e 1980, e que mais uma vez serviram de grande inspiração para “In Cauda Venenum”, o novo disco de Opeth,  perguntámos a Fredrik Åkesson quais são os seus cinco álbuns favoritos dentro do mundo do rock progressivo. Eis as escolhas, bastante eclécticas, do guitarrista dos Opeth.


Electric Sun – “Earthquake” (1979)
«Posso escolher aqui alguns álbums… Hoje em dia, sou um nerd de vinil, por isso, de momento estou a ouvir os Electric Sun, do Uli Jon Roth (ex-guitarrista dos Scorpions), nomeadamente o “Earthquake” que é um álbum mais orientado para a guitarra, mas ainda assim bastante progressivo. É um dos discos a solo clássicos do Uli.»


Tempest – “Tempest” (1973)
«Este álbum saiu em 1973, com o Allan Holdsworth na guitarra e o Jon Heisman na bateria. É um álbum muito bom! É um progressivo a puxar para o heavy, com o Allan Holdsworth a tocar num estilo mais rock do que o seu estilo habitual de fusão. Tem muitos elementos de fusão, mas mais numa veia hard-rock, num contexto mais pesado com um grande vocalista que me lembra o Rod Evans, vocalista dos primeiros tempos dos Deep Purple. Recomendo este disco!»


Renaissance – “A Song For All Seasons” (1978)
«Recomendo um álbum que foi uma inspiração para uma das músicas do novo disco de Opeth. O álbum é dos Renaissance e chama-se “A Song For All Seasons”. Tenho-o aqui em vinil. É de 1978, muito épico e bastante pesado! Material bastante progressivo e pesado! Tem uma capa um pouco aborrecida de uma senhora com um chapéu e mais parece uma capa de um disco pop. Uma capa mesmo feia, mas, pelo menos, a senhora tem um bom aspeto! Ouçam este disco, é épico!»


Rush – “Moving Pictures” (1981)
«Para mim, outro grande disco de rock progressivo é o “Moving Pictures” dos Rush. É um disco com uma produção incrível. Uma das obras-primas deles. Gosto muito da  “Witch Hunt” e da “Tom Sawyer”! Tem aquela produção dos inícios dos anos 1980 que eu adoro, à semelhança de discos como o “Assault Attack” do Michael Schenker… Aquele tipo de produção quente dos inícios; não falo daquelas produções do final dos anos 1980 das hair-bands com sons de tarola gigantes. Antes disso…»


King Crimson – “Red” (1974)
«Diria que outro dos grandes discos é o “Red” dos King Crimson. É um álbum com um som maléfico e absolutamente incrível.»

“In Cauda Venenum” é o 13º album dos Opeth, com lançamento a 27 de Setembro de 2019 através da Moderbolaget e Nuclear Blast.