Amantes de HP Lovecraft e artistas dos territórios mais negros do metal, os italianos Fiume Nero estão a trabalhar numa trilogia... Fiume Nero: culto a Lovecraft

Origem: Itália
Género: black metal
Último lançamento: “Lovecraft Cap. 1” (2020)
Editora: Vacula Productions
Links: Facebook | Bandcamp

Amantes de HP Lovecraft e artistas dos territórios mais negros do metal, os italianos Fiume Nero estão a trabalhar numa trilogia inteiramente dedicada ao escritor. A primeira parte já está disponível.

«As pessoas podem esperar ser catapultadas para as atmosferas Lovecraftianas que caracterizam cada história.»

O álbum: «É uma homenagem a Lovecraft, o escritor americano que em 1920 deu origem ao terror cósmico, que inspirou outros escritores contemporâneos e posteriores, o mundo do cinema, da música e da pintura. Cada música representa as histórias que mais nos inspiraram, e tentamos representar as menos conhecidas, como: “The Electric Executioner”, “The Ceremony”, “The Tree on the Hill”, “The thing on the Threshold”, entre outras. As pessoas podem esperar ser catapultadas para as atmosferas Lovecraftianas que caracterizam cada história.»

Uma trilogia: «É uma colecção de histórias de Lovecraft. “Lovecraft Cap. 1” é apenas o primeiro capítulo de uma trilogia inteiramente dedicada ao escritor. Estamos a trabalhar no segundo capítulo, que será lançado no final deste ano. Em Agosto de 2020 lançámos o single “Il sussurratore di morti” como antevisão do próximo álbum, que inclui duas músicas: “Requiem” e “Mors omnia vincit”. É dedicado à história “The Loved Dead”, que também vai estar presente no nosso próximo álbum. Será sucedido por um single dedicado à história de Erich Zann. A trilogia completa será lançada pela Vacula Productions, a editora ucraniana de Andrii Molchan.»

Composição: «Com o passar dos anos e com a experiência musical adquirida, o nosso som foi-se tornando cada vez mais definido, graças também ao aprimoramento da nossa instrumentação e à nossa forma de compor cada vez mais melhorada. Temos aprimorado cada vez mais o domínio da composição de riffs e uma combinação cada vez mais harmoniosa para que a música seja como um discurso suave e agradável de se ouvir. Durante a composição não nos inspiramos num único género ou artista, pois gostamos de abordar vários campos e inspiramo-nos em tudo o que nos proporciona emoções.
Procuramos sempre expressar a atmosfera das letras na música, e inspiramo-nos na situação descrita como se tivéssemos de compor a banda-sonora de um filme. Muitas vezes usamos técnicas de música clássica, como tríades de arpejos ou escalas pentatónicas típicas do blues, mas também harmonizações de acordes de jazz, tudo revisitado através de black metal. Mesmo as letras não seguem a métrica habitual, havendo muitos contratempos e síncopes. O importante é que seja criada a atmosfera que procuramos.»

Review: Com uma sonoridade perturbadora, furiosa e, por vezes, claustrofóbica, estes italianos pretendem representar através de som o universo destruidor de HP Lovecraft, possivelmente o escritor mais repercutido na comunidade metal. Devido a uma abordagem mais digital do que analógica, os Fiume Nero acabam, sem querer, por evidenciar noções industriais que podem soar estranhas ao início mas que se entranham à medida que o álbum avança. Entre a velocidade desenfreada e vozes austeras, ressalve-se também a dissonância imposta para que tudo seja mais inquietante.