Do black metal ao dungeon synth, Fathomage é uma viagem à Terra-Média de Tolkien. Fathomage: uma viagem por Mina Morgul

Origem: Austrália
Género: black metal / dungeon synth
Último lançamento: “Minas Morgul – The Nazgûl Awaken” (2020)
Editora: independente
Links: Facebook | Bandcamp

Do black metal ao dungeon synth, Fathomage é uma viagem à Terra-Média de Tolkien.

«Tentei retratar o legendarium de Tolkien de uma maneira sinfónica.»

O álbum: «O conceito principal de “Minas Morgul – The Nazgûl Awaken” passava por trazer o mundo de Tolkien à vida através de música synth atmosférica em relação à atmosfera da literatura. Peças como “The Old Forest (The Forest Observes)” foram inspiradas pela paranóia que a Irmandade sentiu durante a sua jornada pela Old Forest. Quem ouvir, ouvirá os confrontos, a tensão e, ao mesmo tempo, música aliviadora que representa o encerramento e abertura da floresta para a Irmandade. Foram instâncias como estas que inspiraram a composição deste álbum, trazendo a literatura à vida com a música. Os ouvintes devem esperar uma viagem profunda pelas áreas da Terra-Média. São conceitos sonoros de como os reinos, locais e temáticas soam na minha cabeça.»

Conceito: «Tentei retratar o legendarium de Tolkien de uma maneira sinfónica. Cada parte do álbum tem o seu próprio fluxo e movimento – algumas são mais sombrias, algumas são agressivas e algumas são melancólicas. O mundo da Terra-Média é vasto na sua totalidade, e este álbum tenta oferecer uma pequena janela sónica sobre como este mundo me tem influenciado e à minha música actualmente. Por causa da natureza atmosférica deste álbum, tentei envolver o ouvinte como se este estivesse realmente presente com a Irmandade na sua jornada pela Terra-Média. Algumas partes deste álbum não exploram a era da Irmandade do mundo de Tolkien, indo-se para uma lore mais profunda e antiga.»

Evolução e inspirações: «A evolução da sonoridade de Fathomage é complexa e continua constantemente. O álbum de estreia é fortemente experimental e tem muito drone e noise. Isso, apoiado por imagens cristãs ortodoxas, é o que criou o tema geral de Fathomage. “Symphonies of True Misanthropy” foi o primeiro álbum que começou a explorar outras áreas da música experimental e, posteriormente, deu origem a “Necrohermitage of the Emotially Starved”, que é um trabalho que lida com muitos temas de fantasia de autor ao lado do black metal atmosférico tradicional. Depois de dois álbuns de black metal quis continuar com o tema da fantasia e acabei a criar “Minas Morgul – The Nazgul Awaken”. Os ouvintes nunca são encorajados a ouvirem apenas uma forma de som com Fathomage, pois pode mudar ou, ao contrário, nunca mudar. Esta é a natureza complexa deste projecto musical, misturando-se géneros e temáticas em constante mudança com o sagrado e a ficção num só lugar. Música ortodoxa por meios não ortodoxos.
As minhas principais inspirações incluem Cristianismo Ortodoxo, Windir, Ulver, Opeth, Dmitri Shostakovich, Om e natureza.»

Review: Do vampirismo a Tolkien, o australiano que dá pelo nome de Akul transporta-nos ao seu universo black metal com faixas atmosféricas pejadas de produção crua e suja, mas que, ainda assim, deixam transparecer a melodia das guitarras, como se pode verificar em “Shrine of the Dark Moloch”. Em suma, a sonoridade deste projecto está entre um sentido desagradável afecto ao subgénero em si e uma elegância melancolicamente obscura que tantas vezes se tenta atingir neste meio.