Descontentes com a pobre produção, os norte-americanos Dismembered Carnage fizeram a melhor escolha da sua carreira ao trabalhar com o produtor Juan Urteaga. Dismembered Carnage: melodia satânica

Origem: Estados Unidos
Género: death metal
Último lançamento: “Blasphemed Betrayal” (2019)
Editora: independente
Links: Facebook | Bandcamp
Entrevista: Joel Costa | Review: Diogo Ferreira

Descontentes com a pobre produção, os norte-americanos Dismembered Carnage fizeram a melhor escolha da sua carreira ao trabalhar com o produtor Juan Urteaga.

«É um disco que fala sobre colocar um fim a tudo o que seja sagrado, destruindo Deus e os seus seguidores.»

Objectivos: «O objectivo passou por lançar um bom disco de death metal com uma grande produção. No passado, as nossas demos e EPs tinham faixas decentes mas a qualidade era sempre muito pobre, pelo que decidi trabalhar com um profissional desta vez. Não fiquei preocupado com o resultado pois gravámos tudo nos Trident Studios com o Juan Urteaga, que trabalhou com bandas como Testament, Exodus, entre outras. É também alguém que está familiarizado com o death metal pois costumava gravar e misturar o material da sua banda, os Vile, nos tempos em que era vocalista. Sinto que os nossos objectivos foram cumpridos pois a resposta tem sido fenomenal e conseguimos um bom acordo de distribuição internacional através da Careless Records. As pessoas podem esperar um disco de death metal saído dos anos 90, da cena da Flórida e de Nova Iorque. É música que fala por si!»

Temática: «O conceito principal deste álbum gira à volta da traição, mas de uma forma satânica. Os fãs de death metal vão perceber isso assim que virem a capa que Mike Hrubovcak dos Monstrosity criou. Musicalmente, a voz, os riffs e a bateria inspiram-se no death metal norte-americano que se fazia no início da década de 1990. Há uma sincronia entre vocais baixos e altos, assim como guturais sujos. Liricalmente, é um disco que fala sobre colocar um fim a tudo o que seja sagrado, destruindo Deus e os seus seguidores.»

Evolução: «A nossa evolução musical tem sido caótica mas de uma boa forma. Se ouvires as nossas primeiras demos vais sentir que estás a ouvir uma banda completamente diferente. Ao longo dos anos aprendemos com os erros e tornámo-nos melhores em estúdio e ao vivo. O Juan Urteaga ajudou-nos definitivamente a desenvolver a sonoridade de Dismembered Carnage pois é alguém muito bom naquilo que faz.»

Review: Death metal também pode ser satânico, escapando às temáticas gore, como nos ensinaram bandas como Vital Remains. Assim, é muito no seio desta escola que este grupo norte-americano executa os seus exames. Acima e abaixo, com velocidade, peso e ritmo robusto, o death metal dos Dismembered Carnage também consegue ser melódico quando menos se espera, mesmo quando tem que se negar Cristo. O segundo álbum “Blasphemed Betrayal” é uma excelente surpresa oriunda do underground.