Chino Moreno tinha apenas 15 anos quando os Deftones se formaram, mas de alguma forma passou pelos anos 1990 sem ser preso… Deftones: as confissões de Chino Moreno

Chino Moreno tinha apenas 15 anos quando os Deftones se formaram, mas de alguma forma passou pelos anos 1990 sem ser preso…

O vocalista dos Deftones está na vanguarda do metal alternativo desde que a banda apareceu em 1995, com o álbum de estreia “Adrenaline”, influenciando toda uma geração de bandas rock. Mas nem tudo foi fácil. «Temos a sorte de o ter conseguido», diz. «Eu costumava ir o mais longe que podia.»

Aqui, confessa as drogas, as discussões e um medo paralisante de voar…

-/-

Qual é a tua droga favorita?
Hoje em dia, diria café. Gosto porque me faz sentir acordado. Normalmente, tenho uma chávena nas mãos 10 minutos após sair da cama. É o mais duro que consigo ser hoje em dia, e é bom.

Tudo bem então. Qual é a tua droga menos favorita?
Nunca gostei de alucinogénios. Já não gosto de metanfetamina, mas houve uma altura em que gostei mesmo. É uma droga do caraças – nunca mais toco nessas coisas.

Qual foi a coisa mais estranha que viste enquanto estavas mamado?
Provavelmente, eu próprio no espelho depois de ficar acordado durante dias, até semanas de vez em quando! Temos muita sorte por termos conseguido ultrapassar alguns desses momentos – eu costumava ir o mais longe que podia. Não me arrependo porque faz parte de quem sou hoje, mas estou feliz por isso já não fazer parte das nossas vidas.

Já foste preso?
Nem uma vez, e tenho muito orgulho disso. Podem ver isto de duas maneiras – ou sou um anjo ou sou muito desonesto! Sei que não é muito rock n’ roll, mas tenho a sorte de dizer que nunca levei com um par de algemas.

Qual foi a pior luta que tiveste?
Entrei numa com o Stephen [Carpenter, guitarrista dos Deftones] uma vez, porque alguém me atirou um pacote de papel higiénico enquanto estávamos no palco. Ninguém disse quem foi, e, quando me atingiu, doeu como o caraças! Eu estava a fumegar nos bastidores porque senti-me um estúpido, mas o Stephen achou muito engraçado e começou a filmar-me. Passei-me e parti-lhe a câmara, depois ele ficou chateado e acabei a saltar-lhe nas costas e a sufocá-lo. Foi muito agreste!

Quando foi a última vez que ficaste realmente arrebatado?
Vi o Robert Plant – foi do caraças! Estávamos no mesmo hotel no Chile e ele passou por mim na entrada. Eu via-o em revistas desde criança, mas na verdade tive que olhar uma segunda vez para ter certeza de que era ele! Pensei em pedir-lhe uma foto, mas sei como isso pode ser irritante, então decidi ser mais calmo.

Em que momento percebeste que eras uma estrela do rock?
Fiquei muito feliz quando começámos a dar concertos fora da garagem do Stephen! Quando demos o nosso primeiro concerto, houve mesmo um momento em que senti: ‘Uau, estou numa banda, isto é do caraças!’ Não me considero uma estrela do rock, mas acho que foi aí que me senti pela primeira vez como um músico legítimo.

Qual foi a pior ideia que já tiveste?
Tive muitas ideias más e, provavelmente, terei muitas mais! O Abe [Cunningham, baterista do Deftones] continua a tentar convencer-me de que não há más ideias.

Qual foi a pior coisa que já leste sobre a tua banda?
Li muitas coisas que não são lisonjeiras, como pessoas que dizem que somos lixo ou merda. Tento não ler muitas coisas assim – se dermos um bom concerto, vou dormir a saber que dominámos. Se dermos um mau concerto, não quero ler sobre o quão mau foi!

Qual foi a coisa mais cara que já compraste?
Na realidade, não tenho nada caro. Comprei coisas como joias e relógios e depois perdi-as. Agora compro relógios de 20 dólares, por isso não me importo se precisar de comprar um novo! Comprei um balão de ar quente uma vez, mas voou e agora é o Richard Branson que o tem!

Qual foi a coisa mais estranha que um fã já te deu?
Herpes? Estou a brincar. Uma faca, uma prótese… Todo o tipo de merdas estranhas.

Já alguma vez disseste: ‘mas tu não sabes quem eu sou?’
Já, mas não dessa forma. Talvez o tenha tentado para atravessar aeroportos ou coisas assim, a tentar passar pela alfândega mais rápido! Mas tento não ser esse gajo.

Tens alguma fobia?
Detesto voar, mas tenho que o fazer a toda a hora. Acho que é uma fobia com que apenas lido. Meter-me num bocado de metal lá tão alto no céu parece-me sempre uma espécie de jogo de azar.

Quem tem mais acção: vocalistas ou bateristas?
Bateristas. Ouvi dizer que eles facturam toda a noite.

Consulta o artigo original em inglês.