Chegados a 2020, “The Harrowing of Hearts” é a nova proposta discográfica que pretende continuar a direcção do seu antecessor com novos elementos, tanto... Blaze Of Perdition “The Harrowing of Hearts”

Editora: Metal Blade Records
Data de lançamento: 14.02.2020
Género: black metal
Nota: 4/5

Nem sempre se ganha tudo de uma vez só e Blaze Of Perdition é um desses casos, pois só ao quarto álbum “Conscious Darkness” (2017) é que os polacos atingiram o seu pico criativo e algum espaço na imprensa especializada.

Chegados a 2020, “The Harrowing of Hearts” é a nova proposta discográfica que pretende continuar a direcção do seu antecessor com novos elementos, tanto musicais como líricos. Por exemplo, o título é uma referência à descida de Cristo ao inferno no período entre a crucificação e a ressurreição em que ‘hearts’ (corações) substitui ‘hell’ (inferno) como expressão simbólica, a fonte dos nossos desejos mais profundos e negros, pensamentos proibidos e medos. Assim, o existencialismo continua a ser uma forte ferramenta no desenvolvimento das letras de Blaze Of Perdition, sem esquecermos uma ou outra menção sobre o conceito de sombra de Carl Jung.

Mas é sonicamente que este “The Harrowing of Hearts” se diferencia dos discos anteriores. Mesmo que continue a soar a Blaze Of Perdition, com toda uma vaga de desespero, aflição e agonia tantas vezes aguçada pelos leads de guitarrada uivantes, o quinto álbum dos polacos é para ser ouvido com a mais extremada atenção e não para deixar a tocar de fundo enquanto se faz outra coisa qualquer, senão a experiência é tragicamente perdida.

O agora quarteto mostra-se muito mais dinâmico e com mais ideias do que nunca, o que origina um álbum altamente atmosférico. Em mais detalhe, o que “The Harrowing of Hearts” nos oferece é uma constante e poderosa wall of sound em que apenas dois guitarristas lideram um exército de guitarras sobrepostas em camadas. Com a devida atenção, podemos mesmos verificar a existências de três e quatro camadas de guitarras em que cada uma desempenha um papel muito próprio. Se a base do black metal se manifesta nas malhas mais audíveis e em alguns leads entre o melódico e o dissonante típico desta banda, a desenvoltura criativa ouve-se através de feedbacks subtis e acordes monolíticos que preenchem como uma orquestra obscura. Já a produção é outro departamento sobre o qual o colectivo prestou uma atenção optimizada, porque doutra forma nada do que atrás foi descrito funcionaria, nem o baixo se ouviria com tanta preponderância.

Finalmente, destaca-se a prestação vocal de Sonneillon, que se apresenta com uma dicção invejável e com níveis de presença e volume muitíssimo bem equilibrados, e algumas influências no goth rock/metal, em que o exemplo mais descarado passa pela excelente cover de “Moonchild”, dos mestres do goth Fields Of The Nephilim.

Em Junho de 2019, a Metal Hammer Portugal incluiu Blaze Of Perdition no top 5 de bandas polacas – “The Harrowing of Hearts” é a prova de que não nos enganámos.