Atipicamente, da Polónia chega-nos uma estirpe de groove metal com claras influências norte-americanas e multidisciplinaridade musical. Aterra: filhos da dor

Origem: Polónia
Género: groove metal
Último lançamento: “All Born In Pain” (2015)
Editora: independente
Links: Facebook
Entrevista: João Correia | Review: Diogo Ferreira

Atipicamente, da Polónia chega-nos uma estirpe de groove metal com claras influências norte-americanas e multidisciplinaridade musical.

«Temos várias mensagens incluídas neste registo: pensa por ti mesmo, não adores o dinheiro, preocupa-te com os problemas dos teus amigos, etc.»

O que esperar: «Na verdade, o nosso último lançamento foi o primeiro e os nossos principais objectivos foram gravar o disco. Queremos sempre tocar aquilo de que gostamos, por isso, estamos felizes por algumas pessoas quererem ouvir-nos e gostarem também, logo, podem contar com honestidade.»

Conceito: «Este álbum contém tudo aquilo que poderíamos tocar juntos à época; isso faz com que não exista um conceito principal, excepto études eletrónicos que ligam cada música entre si. Temos várias mensagens incluídas neste registo: pensa por ti mesmo, não adores o dinheiro, preocupa-te com os problemas dos teus amigos, etc.»

Influências: «Sempre quisemos soar a pesado, mas não ao extremo. E não queríamos gastar milhões para atingir esse efeito, logo, a nossa “evolução” dependia directamente de comprarmos coisas uma a uma. Cada membro tem as suas próprias inspirações, são muitas: Slipknot, Pantera, Slayer, Dimmu Borgir, Guns ‘n Roses, Sepultura, Sting e muitas mais…»

Review: Juntemos o groove dos Pantera, os mecanismos dos Fear Factory e a escuridão dos Behemoth. Isso tudo somado dará origem a bandas como Aterra, grupo polaco que, assim, não se prende a um só subgénero. O tema-título de “All Born in Pain” (2015) é uma composição que deverá ser ouvida atenciosamente por quem pretender mergulhar mais no trabalho deste colectivo.