Detentores de ideias modernas e bem estabelecidas, os espanhóis Arkhos mostram-nos como fazer um bom disco de metal extremo na sua língua materna. Arkhos: maturidade e identidade

Origem: Espanha
Género: groove/death metal
Último lançamento: ”Vacío” (2019)
Editora: independente
Links: Facebook | Bandcamp
Entrevista e review: João Correia

Detentores de ideias modernas e bem estabelecidas, os espanhóis Arkhos mostram-nos como fazer um bom disco de metal extremo na sua língua materna.

«O que faz dos Arkhos um todo é a vontade de misturar estilos e criar coisas novas.»

O que esperar: «O nosso álbum de estreia é o culminar de vários anos de composição, ajustes e amadurecimento como músicos. O título “Vacío” (vácuo) é realmente adequado, já que estamos a tentar preencher um enorme vazio na cena do metal espanhol. Durante anos, falou-se que as letras em espanhol simplesmente não resultariam, como se fosse um idioma amaldiçoado. Disseram-nos que “só os cotas é que ouvem bandas sem letras em inglês”. É uma afirmação muito triste. Entre todas as outras coisas, “Vacío” é uma declaração orgulhosa de que ainda podes fazer um disco moderno de metal com letras bem pensadas no teu idioma nativo.»

Conceito: «O principal consiste em contar histórias através da composição. Nos estádios iniciais de escrita deste álbum, desenvolvemos um interesse particular em retratar a narrativa com músicas individuais. “Vacío” não é um álbum conceitual, pois não existe uma história deliberada para unificar todas as músicas, mas cada música é um enredo. Achamos que seria fácil de mais introduzir algumas letras num riff de guitarra e considerar que o trabalho estava feito. O que é desafiador é fazer com que instrumentos e vozes contem a mesma história na mesma ordem. A utilização de leitmotifs foi crucial para o conseguir e planeamos continuar a explorar esse conceito no nosso próximo álbum.»

Influências: «Ocorrem-nos Lamb of God, Gojira e até Tool. Também está presente no nosso trabalho algum thrash progressivo sci-fi moderno. “Erlkönig”, de Franz Schubert, também foi muito revelador, devido à brilhante adaptação de um poema à teoria musical. É difícil ser mais específico, já que cada membro da banda tem uma lista de artistas inspiradores. O que faz dos Arkhos um todo é a vontade de misturar estilos e criar coisas novas.»


Review: Cada vez mais nos impressionamos com a qualidade que teima originar em Espanha nas mais diversas frentes, do heavy metal tradicional aos subgéneros mais extremos. Os Arkhos continuam essa tradição com “Vacío”, um disco de metal agressivo, mas também técnico e que tem um pé no progressivo e outro no groove/death metal. “Pecados de Padre”, tema inicial deste trabalho, demonstra bem a qualidade técnica e o cuidado que a banda investiu na composição de um disco em que abundam solos muito competentes, uma batida invariavelmente forte e guitarras espessas e densas como alcatrão.