Um exército de vampiros está pronto para combater os seres humanos e é Count Vampyrus quem os lidera, como pode ser testemunhado em "Under... Ridden: marca vampírica

Género: black metal
Origem: EUA
Último lançamento: “Under the Vampyrian Mark” (2019)
Editora: independente
Links: Facebook | Bandcamp
Entrevista e review: Diogo Ferreira

Um exército de vampiros está pronto para combater os seres humanos e é Count Vampyrus quem os lidera, como pode ser testemunhado em “Under the Vampyrian Mark”.

«O objectivo é simples: conjurar as músicas e melodias mais ameaçadoras.»

Objectivos: «O objectivo é simples: conjurar as músicas e melodias mais ameaçadoras e, claro, continuar o enredo das letras do primeiro álbum.»

Conceito: «Cada álbum adiciona algo ao enredo de Ridden. “Under the Vampyrian Mark”, em particular, continua exactamente onde o primeiro álbum parou. Count Vampyrus está a construir um exército de vampiros, aos quais se refere como os seus Nightwalkers, para guerrear com os seres humanos. O foco principal anda à volta do culto recém-criado como um todo.»

Evolução: «Quando comecei Ridden, as minhas três maiores influências eram Marduk, Dissection e Inquisition. Black metal muito melódico e caótico é o meu lado favorito do género. À medida que ia fazendo lançamentos, a fórmula típica de Ridden refinou-se cada vez mais até se tornar uma banda que as pessoas conhecem por ter riffs malévolos e melodias cativantes que se tornam viciantes. Há quem já tenha dito que é um clássico instantâneo!»

Influências: «As três influências primárias que mencionei ainda superam tudo o resto. Ainda assim, há alguns ecos de bandas que soam mais cruas, como Darkthrone e Judas Iscariot, mas são as melodias e os vocais que brilham mais intensamente neste lançamento.»

Futuro: «Se eu não conseguir lançar um split no próximo ano com algum material inacabado que andei a juntar durante uns tempos, terei um álbum para lançar nessa altura. O próximo longa-duração será gravado e lançado em meados do próximo ano, com a possibilidade de finalmente tocar ao vivo.»

Review: Personificando a solidão de se fazer black metal, esta one-man-band de Tulsa (EUA) foca-se em conceitos vampíricos como o próprio título do último álbum indica, sem esquecer o pseudónimo do artista, que é Count Vampyrus. Algo alheado de melodias contagiantes, Ridden incorre por abordagens velozes e fantasmagóricas que muito bebem do black metal mais cru e sem compromisso a não ser consigo próprio. Indicado para fãs dos portugueses Irae.

Outras publicações: